Devocional lição 09/ 3º trim 2017, Quinta-feira – O sangue de Cristo nos santifica.

Hebreus 9:14
Quanto mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará a vossa consciência das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?”

Os sacrifícios oferecidos e o sangue aspergido sobre o propiciatório não tinham poder algum de mudar o coração e a consciência do adorador. Todas as cerimônias relacionadas ao tabernáculo diziam respeito à pureza cerimonial, não à pureza moral. Eram “ordenanças da carne” que se referiam ao homem exterior, mas que não podiam mudar o ser interior. Isso não significa que o adorador que acreditava em Deus não tivesse uma experiência espiritual; antes, significa que a ênfase era sobre a purificação cerimonial exterior. Desde que o adorador obedecesse às regras prescritas, era declarado puro. Era uma “purificação da carne”, mas não da consciência.

Nesta passagem, o autor da epístola aos Hebreus, fala da inferioridade dos sacrifícios dos animais em relação ao de Cristo. Não precisamos de nenhuma prova para verificar essa verdade. De que maneira o sangue de animais seria capaz de resolver o problema do pecado? Jesus Cristo veio como homem a fim de poder morrer pelos pecados dos homens. Sua morte foi voluntária. É de se duvidar que algum animal sacrificado no Antigo Testamento se ofereceu voluntariamente assim! O sumo sacerdote levava o sangue de um animal para o Santo dos Santos, mas Jesus Cristo apresentou a si mesmo na presença de Deus como sacrifício completo e definitivo pelos pecados. Os sacrifícios de animais precisavam ser repetidos, mas Jesus Cristo ofereceu a si mesmo uma só vez.

A vontade do homem não muda a sua própria natureza em nada, por isso, quando pecador, por mais que tenha vontade de deixar de ser pecador, permanece escravo do pecado. Por mais que queira livrar-se do seu senhor, jamais conseguirá, a não ser que recorra a Deus. Por isso a Bíblia diz: “Porventura pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? Então podereis vós fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal“.
Sendo assim, qualquer dos homens sem estar em Cristo, mesmo que deseje fazer o bem, jamais poderá fazê-lo, porque a sua natureza pecaminosa não permite. Não é questão de vontade, e sim de natureza. Por isso Jesus disse: “Não pode a árvore boa produzir maus frutos, nem a árvore má produzir frutos bons“. Não é questão de vontade, visto que muitos neste mundo desejam fazer boas ações, porém, por não estarem em Deus, as suas ações, por mais nobres que sejam, são fruto de uma árvore que o Pai não plantou.

Existe muitos crentes, que tem em sua cabeça que após se entregar para Jesus simplesmente não precisam de mais nada para chegar ao céu, engano, pois a Santificação é o fator intermitente, que tem que ir crescendo na vida do crente até que ele chegue a estatura de varão perfeito.
A santificação é a obra continua de Deus na vida do crente, a qual tem por objetivo torna-lo santo. Fala sobre o aperfeiçoamento dos santos. A santificação não é um ato que recebemos imediatamente após a nossa regeneração. É uma ação que vem se desenvolvendo dentro do crente, Quando falamos santo, neste sentido, queremos dizer “portador de uma verdadeira semelhança com Deus”.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.