Os pastores devem cuidar de si mesmos e igualmente do rebanho.

Atos 20: 28
Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.”

Os pastores estão abandonando seus postos, desviando-se para a direita e para a esquerda, com frequência alarmante. Isso não quer dizer que estejam deixando a Igreja e sendo contratados por alguma empresa. As congregações ainda pagam seus salários, o nome deles ainda consta no boletim dominical e continuam a subir ao púlpito domingo após domingo. O que estão abandonando é o posto, o chamado (ministério). Prostituíram-se após outros deuses. Aquilo que fazem e alegam ser ministério pastoral não tem a menor relação com as atitudes dos pastores que fizeram a história nos últimos vinte séculos. (Eugene Peterson)

No decorrer desta semana, os devocionais estarão contextualizados com as parábolas da ovelha e da dracma perdida. Tentaremos,durante esses dias, falar, essencialmente, da necessidade e urgência de sair em busca dos que se perderam. Dentro deste grupo de pessoas, temos os que ainda permanecem perdidos (ainda não foram evangelizados) e, também, os que, por algum motivo, vieram a se perder durante a jornada da fé.

Se as pessoas tivessem consciência da enorme responsabilidade que é o ministério pastoral, acredito que o número de pastores seria bem menor do que existe e, também, não haveria essa imensidade de igrejas espalhadas por aí. Mas, o que teria acontecido para promover esse crescimento desiquilibrado e anormal do cristianismo evangélico?

Temos, ao menos, duas causas principais: primeiro, alguns pastores subestimaram a importância da igreja e, entendemos que uma igreja é importante para Deus, o Pai, pois leva seu nome; é importante para Jesus, o Filho, pois Ele é a sua pedra fundamental; e, é importante para o Espírito Santo, pois é Ele quem chama e capacita os que hão de ministrar sobre o rebanho. Segundo, alguns pastores abandonaram as três atividades imprescindíveis para um ministério pastoral próspero – oração, leitura da Bíblia e orientação espiritual. Além de básicas, essas tarefas são silenciosas, não chamam a atenção, de modo que, muitas vezes, são negligenciadas.

As três atividades são compostas por atitudes que envolvem atenção: ao orar, o pastor posta-se perante Deus, convicto de que será ouvido e respondido; ao ler as Escrituras, o pastor presta atenção ao que Deus falou e como agiu durante dois milênios, primeiro em Israel e depois em Cristo; ao orientar alguém espiritualmente, o pastor fica atento ao que está fazendo na vida daquela pessoa que se encontra diante dele. Embora sejam atividades imprescindíveis na vida ministerial de um pastor, elas não podem ser distinguidas externamente, ou seja, ninguém pode determinar com certeza o quanto um pastor se dedica a essas atividades.

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.”

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Um pastor segundo o coração de Deus – Eugene H. Peterson

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.