O Novo Testamento descreve os demônios como espíritos malignos.

Atos 19: 11-12
E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias, de sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam.”

Não sei se dou gargalhadas ou se choro, tal qual Jeremias, diante do que estamos vivendo ultimamente entre os cristãos evangélicos. Estão tratando os problemas espirituais na mesma ótica dos problemas físicos. Na batalha espiritual, por exemplo, querem usar as mesmas estratégias de um exército secular. Elaboram estratégias colhendo informações de determinadas regiões para usarem as “armas” mais eficazes no combate aos demônios. A Bíblia não cita nomes dos espíritos malignos, por que independente da esfera em que atuam o “tratamento” para todos eles é um só.

A arma que temos para usar contra todas as potestades do mal, sem exceção alguma, é o poder de Deus e, esse poder não é concedido a qualquer um. Deus não concedeu poder a Paulo por que ele era um excelente estrategista. Paulo era submisso, obediente e fiel. A forma como Deus opera não está condicionada ao tipo de demônio que se está enfrentando, mas que, diante do poder de Deus até um lenço pode ser usado para repelir demônios. É interessante observar nesta passagem bíblica, que após o ocorrido, Paulo não saiu pelas cidades vendendo “lencinho ungido” ou “avental da vitória”, ele sabia perfeitamente que o que se operara, tinha sido pela mão de Deus.

Não precisamos identificar os demônios pelos seus nomes para poder combatê-los mais eficazmente. O grande inimigo de Deus é visto por toda a Bíblia. sempre em conexão com o mal, os nomes que lhe são designados na Bíblia, representam em si mesmo, a personificação da maldade: Diabo – Caluniador – Acusador “E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo”; Satanás – Adversário “Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás”; Dragão – Serpente – Falsidade “E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas”; Príncipe dos demônios – Líder dos demônios “Este não expulsa os demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios”; O tentador – Leva o homem a pecar “E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.”; Apolion – Destruição – Ruína “E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apolion.”; Pai da mentira – Enganador “Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.”.

O império do mal sobre o qual Satanás reina é altamente organizado e exerce autoridade sobre regiões do mundo inferior, os anjos caídos, os homens perdidos e o mundo em geral. Satanás não é onipresente, onipotente e nem onisciente; por isso a maior parte da sua atividade é delegada a seus inumeráveis demônios.

Jesus veio à terra a fim de destruir as obras de Satanás, de estabelecer o reino de Deus e de livrar o homem do domínio de Satanás.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Angelologia – Ev. José Ferraz

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.