Jesus espera nos encontrar em oração na sua vinda.

Lucas 21: 36
Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas essas coisas que hão de acontecer e de estar em pé diante do Filho do Homem.”

A vigilância aqui mencionada como uma advertência, não tem o sentido de ficar conjecturando sobre as catástrofes naturais ou os inusitados acontecimentos que abalam toda a humanidade.  A vigilância a qual o Senhor Jesus se refere, é a de estar atento e alerta para que, na vinda dEle  não sejamos surpreendidos e, não estejamos despreparados. Contudo, não basta apenas estar em constante estado de vigilância, devemos associar à vigilância a oração.

Aliás, nenhum crente que se preze, há de estar surpreso ou preocupado com todas as coisas que estão acontecendo nos últimos dias. Estamos, antecipadamente, orientados de tudo que vai acontecer e como vai acontecer, provavelmente, ficamos aflitos em determinadas situações, porque, a ocultação de quando tudo vai acontecer, nos causa certa ansiedade. Mas, uma coisa é certa, surpresos com os fatos, o verdadeiro crente, não fica. Antes, ele glorifica a Deus pelo cumprimento das profecias.   

O texto de hoje, está inserido num contexto onde o Senhor Jesus está advertindo os ouvintes acerca das coisas que antecederão a Sua vinda. E, tanto quanto para as pessoas daquele tempo, quanto para nós, nos dias atuais, as orientações de Jesus têm profundo ensinamento com um enfático teor de exortação.

Estamos vivendo momentos em que estamos extremamente vulneráveis a ceder ao estilo de vida que se conforma com o mundo, pois, em muitos momentos do nosso dia a dia, nos tornamos presas fáceis das muitas preocupações desta vida e, sem perceber, às vezes, ficamos sobrecarregados e aflitos com os acontecimentos. E, aderido a isso, soma-se as tentações do mundo e da carne.

Jesus pede que associemos a oração à vigilância porque Ele sabe que sozinhos estamos fadados ao fracasso, por isso, não basta apenas estar em plena vigilância, a ela devemos somar a oração, pois, estando alertas e em comunhão com Deus através da oração, somos capazes de enfrentar qualquer situação. E, mesmo que não sejamos bem sucedidos em alguns casos, mas de uma coisa estamos convictos – “todas as coisas contribuíram para o nosso bem”.

Se naqueles dias, Jesus julgou por bem advertir os seus ouvintes acerca destes fatos, o que não se dirá dos crentes de hoje onde há uma abundância de conforto e uma extrema rapidez de renovação e inovação tecnológica. Claro que tudo é proporcional a sua era, mas nós, nos dias de hoje, vivemos expostos a maiores e mais letais perigos que os irmãos do passado.

 Uma vez que não sabemos quando o Senhor voltará, devemos ser fiéis e estar preparados.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Expositivo do Novo Testamento – W. W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.