Deus deseja estar entre o seu povo.

Zacarias 2: 10-11
Exulta e alegra-te, ó filha de Sião, porque eis que venho e habitarei no meio de ti, diz o SENHOR. E, naquele dia, muitas nações se ajuntarão ao SENHOR e serão o meu povo; e habitarei no meio de ti, e saberás que o SENHOR dos Exércitos me enviou a ti.”

Soa meio que contraditório este texto, pois, é incompreensível que um Deus Santo e Justo queira habitar no meio de uma humanidade falida, corrompida e degradada tanto moral quanto espiritualmente. Contudo, como temos escrito, é sempre Deus quem dá o primeiro passo em direção ao homem. É sempre o Senhor que se apresenta ao homem – foi Ele quem buscou Adão no jardim; foi Ele quem se apresentou a Abrão no meio de um povo totalmente pagão; foi Ele quem se apresentou a Moisés e o chamou para liderar Seu povo; foi Ele quem se apresentou a Isaías e outros profetas e os deu autoridade para falarem em Seu Nome; foi Ele quem se apresentou a nós, no tempo da graça, se encarnando em Jesus, o Cristo, dando-nos a conhecê-Lo e cumpriu por nós as exigências que nos eram demasiadamente pesadas e inatingíveis. Desta forma, sempre… sempre é o Senhor que “sai” em busca do homem.

Pois bem, diante do que foi exposto, te pergunto: – Não parece estranho Deus querer, desejar, se esforçar para habitar em meio a um ambiente onde só se vê depravação? Já falamos que o habitar não é no sentido de  morar em um endereço fixo, mas, tem o sentido de conviver, sendo assim, o que nosso Deus está nos dizendo é que conviveria conosco, o que, para nós, infames, desprezíveis e ingratos seres, já é um grande favor.

Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?”

A maneira como Deus “trabalha”, a forma como Deus age, os seus propósitos e desígnios estão infinitamente fora do alcance de qualquer mente humana, eles são terminantemente inescrutáveis.  Deus não se explica racionalmente e, aquilo que Ele não revela de Si mesmo, jamais será alcançado pela intelectualidade, são coisas que serão conhecidas somente no Céu. Ele age sustentado em Sua inquestionável soberania, não tendo que tomar conselho com ninguém sobre os decretos ou propósitos estabelecidos por Ele e, muito menos, sobre a Sua vontade em realizar aquilo que deseja.

Tudo quanto Deus faz, é feito por que Ele não pode contradizer-se a Si mesmo, ou seja, o Seu desejo de conviver com homem nasceu dos seus atributos e, Deus não pode negar aquilo que Ele é. Ora, e se tem uma coisa que sabemos que Deus é, e o fato dEle ser todo AMOR. Isso significa que Deus não SENTE amor por alguns homens, antes, o significado é muito além do que podemos compreender, mas, sem a pretensão de dar uma definição conclusiva, digo que o AMOR é um atributo de Deus, uma das características inerente do Seu ser. Sendo assim, se Ele quis conviver conosco, nada além do amor O moveu a fazer isso.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.