A proteção do lar.

Êxodo 12: 12-23
 “E eu passarei pela terra do Egito esta noite e ferirei todo primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais; e sobre todos os deuses do Egito farei juízos. Eu sou o Senhor. E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga de mortandade, quando eu ferir a terra do EgitoChamou, pois, Moisés a todos os anciãos de Israel e disse-lhes: Escolhei, e tomai vós cordeiros para vossas famílias, e sacrificai a PáscoaPorque o Senhor passará para ferir aos egípcios, porém, quando vir o sangue na verga da porta e em ambas as ombreiras, o Senhor passará aquela porta e não deixará ao destruidor entrar em vossas casas para vos ferir”.

Desde o início o Senhor tem orientado seu povo a evitar com todo esforço o casamento misto, ou seja, que ninguém tomasse por cônjuge a pessoa que não pertencesse ou que não praticasse a mesma fé. É o que denomina o Novo Testamento chamando de “jugo desigual”. Embora sejamos testemunhas de alguns casamentos onde ambos os cônjuges são crentes, todavia, é visível a “olho nu” que marido e mulher vivem combatendo-se por viverem sob um “jugo desigual”. Então, alguém pode perguntar: – Mas como pode um casal crente estar sob “jugo desigual”? Jugo desigual não implica apenas assuntos religiosos, ele aponta, também, para tudo aquilo em que um casal tem exasperada divergência.

Quando nos voltamos para a Palavra de Deus em busca de respostas para essas questões, nos deparamos, logo no início (no Gênesis), com a resposta. Está abertamente declarado na Bíblia que o casamento misto é o maior e mais contundente fator que conduz o homem a apostasia. A intensidade da maldade humana também se acentua a medida que a miscigenação dos que professam fé distintas se torna um laço indissolúvel.

Tomemos como exemplo a narrativa de Gênesis 6: 1-8. Nitidamente vemos nesta passagem que o que conduziu a miscigenação dos “filhos de Deus” com as “filhas dos homens” foi a concupiscência dos olhos e da carne. Não vamos debater aqui sobre quem são esses “filhos de Deus“. Apesar de ouvirmos os mais variados e absurdos argumentos, sabemos que esses “filhos de Deus” se referem à linhagem piedosa de Sete. O que instigou os “filhos de Deus” a buscarem para si mulheres pagãs não foi uma “profetada”, isto é, às vezes queremos justificar um casamento mal sucedido responsabilizando um profeta com suas profecias. Ora, sejamos mais sinceros conosco mesmos, o que nos leva a “correr” atrás de algo que aborrece a Deus é o desejo ardente e obsessivo daquilo que nos encheu os olhos e que satisfaz a carne. A queda do homem foi por causa do que Eva “viu” – Ela, primeiro “viu” para em seguida “tomar” e “comer”.

Sem nenhuma margem para dúvidas, a Bíblia condena a união entre ímpios e crentes. E, ainda que encontremos algum exemplo do contrário, este não é argumento para derrubar o veredito que o próprio Deus dá acerca deste assunto. Embora não haja necessidade de o Senhor ficar repetindo qual é a Sua vontade para conosco, Ele relembrou este tão importante assunto duas vezes antes do povo tomar posse da terra prometida.

Atente para o seguinte meu querido(a) leitor(a): não se trata da preservação de uma raça pura ou de questões estritamente culturais, mas exclusivamente de uma questão de fé.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Estabelecendo um Lar Cristão – Brian Schwerthley

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.