O Diabo pede permissão para tocar na saúde de Jó.

Jó 2: 4-5
Então, Satanás respondeu ao Senhor e disse: Pele por pele, e tudo quanto o homem tem dará pela sua vida. Estende, porém, a tua mão, e toca-lhe nos ossos e na carne, e verás se não blasfema de ti na tua face!”

Satanás, fazendo uma alusão à sua insistência e perseverança nos objetivos, é um extraordinário empreendedor e, falando no linguajar popular, diria que ele é um brasileiro nato, pois ele “não desiste nunca”. Ainda que não tivesse obtido êxito nas primeiras investidas contra o inocente Jó, ele não se dá por vencido e retornando à presença de Deus, agora, ele acusa Deus de ter sabotado a “aposta” – “O Senhor é muito esperto! Tirou tudo dele, mas poupou a sua vida para que ele possa reconquistar tudo de novo. Assim não vale!” (Isso não está escrito em nenhum lugar da Bíblia, é apenas uma conjectura minha).

Interpretando essa passagem bíblica, o que Satanás estava dizendo é que existem alguns crentes que aceitam mansamente as agruras da vida, tais crentes tem a plena convicção de que em todas as coisas as mãos de Deus sempre estão operando, todavia, (agora ele faz uma acusação grave) esses crentes só vão continuar fiéis se não forem acometidos de nenhuma enfermidade. Afinal de contas, para todo e qualquer homem não existe nada mais valioso do que a própria vida.

Não podemos perder tempo discutindo o que não sabemos e, muito menos, ficar remoendo questões sobre as quais não obteremos respostas. A questão de Satanás ter se apresentado junto com os anjos diante de Deus é algo que só o Senhor conhece qual a razão, todavia, devemos nos atentar que, na primeira vez, foi o próprio Senhor quem chamou a atenção de Satanás para Jó, agora, no “segundo encontro” Satanás já veio “armado” para propor algo mais cruel. Assim, com a permissão de Deus – “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar”, Satanás afligiu Jó com uma doença que a própria medicina não sabe diagnosticar e, desta forma, não temos como identificar.

Qualquer que fosse a natureza dessa enfermidade, os sintomas eram terríveis: coceira forte – “E Jó, tomando um pedaço de telha para raspar com ele as feridas, assentou-se no meio da cinza”, insônia – “Porque já agora jazeria e repousaria; dormiria, e, então, haveria repouso para mim”, feridas e crostas supurantes – “Então, saiu Satanás da presença do Senhor e feriu a Jó de uma chaga maligna, desde a planta do pé até ao alto da cabeça”, pesadelos – “Consolar-me-á a minha cama, meu leito aliviará a minha ânsia! Então, me espantas com sonhos e com visões me assombras”, mau hálito –“O meu bafo se fez estranho a minha mulher; e a minha súplica, aos filhos do meu corpo”, perda de peso – “Os meus ossos se apegaram à minha pele e à minha carne, e escapei só com a pele dos meus dentes”, calafrios e febre – “Porque, quando me lembro disto, me perturbo, e a minha carne é sobressaltada de horror” e, diarreia – “O meu íntimo ferve e não está quieto; os dias da aflição me surpreenderam”.

Quando os três amigos viram Jó, nem sequer o reconheceram!

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Velho Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.