O Salmista nos aconselha a meditar sobre os prodígios e maravilhas que Deus faz.

Salmos 77: 11-12
 “Lembrar-me-ei, pois, das obras do Senhor; certamente que me lembrarei das tuas maravilhas da antiguidade. Meditarei também em todas as tuas obras e falarei dos teus feitos”.

Se não estivermos em constante vigilância, no que diz respeito à nossa espiritualidade, haverá situações em que, em decorrência das circunstâncias, nos esqueceremos do cuidado de Deus para conosco. Embora não seja pecado atribuirmos a nós mesmos algumas conquistas em nossa vida, entretanto, esse comportamento é, no mínimo, uma ofensa à benignidade de Deus. O que o nosso Deus espera de nós (seres humanos) é, no mínimo, o reconhecimento de que tudo quanto temos e tudo o que somos (no sentido de ter vigor físico e saúde, bem como ser inteligente e livre) se deve ao cuidado que Ele tem conosco em consequência da Sua benignidade.

O salmo 77 retrata uma pessoa em grande aflição, clamando a Deus, mas que não vê qualquer indício de que Deus vai lhe atender. O crente fiel, às vezes, vive uma situação idêntica. Nesse caso, ele deve fazer como o salmista: continuar a clamar a Deus de dia e de noite, ao mesmo tempo lembrando das obras do Senhor no passado, demonstrando o seu amor. Na plenitude da revelação de Deus através do seu Filho, temos a garantia de que Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?

Asafe, o salmista, clamou a Deus pedindo-lhe coragem durante um momento de profunda angústia, causada pela dúvida. O salmista disse: “Clamei a Deus com a minha voz“. Somente após colocar de lado suas dúvidas a respeito da santidade e do cuidado de Deus para com ele, Asafe pôde ficar livre da angústia. Quando oramos a Deus, mudamos o nosso foco para Ele.

O salmista lembra os milagres e da fidelidade de Deus que sustentaram Israel em suas dificuldades. Os israelitas sabiam que Deus era capaz e digno de toda confiança. Da mesma forma, quando nós nos encontrarmos diante de novas provações, lembremo-nos de como Deus tem sido bom conosco, isto fortalecerá a nossa fé. O salmista faz alusão à divisão milagrosa do mar Vermelho. Este grande acontecimento foi mencionado muitas vezes no Antigo Testamento – “E viste a aflição de nossos pais no Egito e ouviste o seu clamor junto ao mar Vermelho”. A história deste incrível milagre foi passada de geração a geração, para lembrar aos israelitas o poder, a proteção e o amor de Deus.

O poder de Deus é a expressão de Seu favor pelo bem de Seu povo, tanto para com Israel como para com a igreja nesta dispensação. Os feitos, as maravilhas e as obras do Senhor são igualmente grandes coisas que Ele realizou e ainda realiza para salvar e preservar seu povo. Temos em nossa mente e em nosso coração a nítida recordação do que o Senhor tem realizado em nosso meio. A impressionante forma como Ele tem nos conduzido por este mundo como um rebanho rumo ao destino que Ele mesmo preparou para todos quantos Lhe forem obedientes.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

One thought on “O Salmista nos aconselha a meditar sobre os prodígios e maravilhas que Deus faz.

  • 12 de agosto de 2021 em 08:08
    Permalink

    Já falei que não sou religiosa, por isso acho de lascar quando escuto um religioso me retrucando quando falo: estou melhor do que mereço!
    Porque tenho a ciência que merecemos a Cruz, mas Ele levou as dores em nosso lugar!
    Tenho mais é que reconhecer que o que tenho é pura graça, que sei também ser um favor imerecido.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.