O casamento deve ser honrado.

Hebreus 13:4
 “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará”.

É fato notório e inquestionável que Satanás nestes últimos tempos (os poucos que lhe restam) tem investido de forma ferrenha contra a família. É claro, que isso não é uma obra que ele esteja realizando nestes dias, isso ocorre desde o início (lá no Édem), mas, como ele sempre faz, de acordo com as épocas, ele muda suas estratégias e, neste último século as investidas não contra os cônjuges ou filhos, mas contra o conceito do termo; contra o padrão estabelecido por Deus; e, contra os princípios que estabelecem uma união conjugal. Destruindo as famílias, Satanás sabe que, toda e qualquer sociedade se desestabilizará culminando com o completo caos.

Temos escrito com insistência que, muito mais importante do que cumprir o que a lei de Deus ordena apenas para não ser visto com um infrator da lei, é compreender o princípio sobre o qual estão estabelecidas as leis – o amor – “E, respondendo ele (Jesus), disse: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo”. O amor é a razão de cumprirmos a lei de Deus, ou seja, não matamos ou roubamos por medo de sermos presos ou por ser uma ordem direta do Senhor, mas por que compreendemos que quem ama seu próximo como a si mesmo não produz nenhum tipo de prejuízo ou dissabor ao seu semelhante. Devemos enxergar o mundo desta forma – tudo o que me causa tristeza e aflição, com toda certeza não é bom para o meu próximo (semelhante).

O princípio bíblico para o casamento (ele é o que norteia toda e qualquer união) diz que todo homem e mulher que desejam estabelecer uma união, devem seguir criteriosamente três preceitos. Vejamos o texto bíblico – “Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne”. O primeiro é deixar pai e mãe; o segundo é apegar-se ou unir-se; e, o terceiro é tornar uma só carne. Tentaremos, de forma suscinta, explanar sobre os três.

Deixar pai e mãe” não diz para abandonarmos nossos genitores, mas que o “cordão umbilical” seja cortado radicalmente. Ora, se uma nova ‘sociedade’ vai ser iniciada com o casamento, evidentemente que devemos nos desligar da anterior. Um limite tem que ser colocado e observado para que a nova ‘sociedade’ seja independente. Isso é valido para o marido bem como para a mulher.

Apegar-se-á à sua mulher”. O texto original está no singular, isso indica que o padrão original que Deus estabeleceu para o casamento foi a monogamia, porém, “… por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim”, isto é, o Senhor tolerou que a poligamia fosse praticada entre o Seu povo, mas nunca permitiu. “Apegar-se” implica num relacionamento que vai além de algo causal, mas algo que denota uma união que não deve ser quebrada jamais.

E, por fim, “ser uma só carne” significa que a unidade da carne que existe no casamento é a união completa de duas pessoas, vista visivelmente na relação sexual, mas, que se estende ao centro do ser da pessoa numa profunda ligação emocional, sentimental e espiritual.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– O que é Casamento? – Alan D. Myatt

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.