A vã sabedoria humana faz o homem tornar-se “louco”.

Romanos 1:22 / Salmos 53:1
 “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos”.
 “Disse o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido e têm cometido abominável iniquidade; não há ninguém que faça o bem”.

O materialismo é uma doutrina filosófica cujo fundamento é a admissão de que a existência humana tem como origem a matéria. É uma corrente filosófica que acredita nas circunstâncias concretas e materiais como principal meio de explicação da realidade e seus fenômenos sociais, históricos e mentais. Como é uma doutrina cuja perspectiva se baseia na racionalidade, ignorando, ou melhor, desprezando os conceitos sobre o mundo espiritual e a alma, contrapõe-se ao espiritualismo e, sobretudo, ao idealismo, cujo elemento central é a ideia de existência metafísica – compreensão da realidade através dos sentidos. Para o materialismo, o modo de vida é condicionado pelos bens materiais. Isso quer dizer que a consciência e o comportamento do indivíduo são determinados pelas suas posses.

É interessante observarmos que a grande maioria dos estudos sugeridos nas lições bíblicas, sempre nos obriga a mergulharmos nas doutrinas bíblicas. Este comentário, por exemplo, nos faz rememorar sobre a doutrina do homem. Dificilmente vamos compreender e admitir nosso estado se não entendermos a nossa natureza – o homem não é pecador porque peca, ele peca porque é naturalmente pecador. Mas por que somos pecadores natos? Por que, desde a queda de Adão, herdamos uma condição corrompida e inclinada a pecaminosidade, ou seja, somos gerados e nascemos com uma natureza tendenciosa a pecar.

Dentre todos os seres vivos criados por Deus, o único que está predisposto a pecar contra o seu Criador é o homem. Isso se deve à composição dos seres humanos, isto é, os elementos ou as substancias que nos formam, tornando-nos seres vivos. Somente o ser humano é tricotômico na sua composição (corpo, alma e espírito), os outros seres vivos são apenas dicotômicos (corpo e alma). Há, também, uma incontestável distinção entre a alma dos seres humanos para a alma dos outros seres vivos (a qual não convém comentar no momento).

O homem foi criado para ser superior à outras criaturas – “E Deus os abençoou e Deus lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra”. A superioridade humana não implica em somente governar sobre todas as outras coisas, mas, ela aponta para o tipo de relacionamento que o homem deve ter com o Criador.

Em toda a vasta criação de Deus, o homem é a “ovelha desviada”. Nenhum outro ser criado, seja ser vivo ou inanimado, saiu deliberadamente do propósito para o qual foi criado. Todos os corpos celestes continuam no mesmo lugar de origem e nem se desviaram da função que Deus lhes designou; os outros seres vivos continuam realizando o que lhes foi determinado; somente o homem saiu (porque pecou) do propósito original. Somente o homem, em virtude da sua inteligência racional, “… buscou muitas invenções” julgando que poderia viver a parte do seu Criador.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.
– Conhecendo as Doutrinas da Bíblia, Myer Pearlman

Compartilhar

Erivelton Figueiredo

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.