Jesus ensinava de forma clara.

Mateus 4: 33
E com muitas parábolas tais lhes dirigia a palavra, segundo o que podiam compreender.”

A palavra grega que define o termo “parábola”, é uma palavra composta que tem como significado “colocar de lado”, isto é, na aplicação bíblica a parábola serve para comparar ou contrastar a realidade natural com uma verdade espiritual. Por isso que, quando lemos os Evangelhos, encontramos algumas passagens onde Jesus está dizendo: “O reino dos céus é semelhante …; A que é semelhante o reino de Deus, e a que o compararei? …” .

Mesmo que estejamos inclinados a limitar o significado da palavra parábola, na verdade o vocábulo tem uma flexibilidade de emprego, pois abarca diferentes aspectos da linguagem figurada, como os símiles, as comparações, os ditados, os provérbios e assim por diante.

Contemplaremos, no decurso deste último trimestre de 2018, que as parábolas de Jesus são magníficas na aplicabilidade, na concisão, na beleza e no poder de atração. Embora Jesus não tenha criado o recurso didático da parábola, certamente o dotou de elevada originalidade, conferindo-lhe profunda importância espiritual, com dimensões até então desconhecidas.

O Senhor Jesus exercendo seu ministério, como Mestre, tomou a parábola e valorizou-a, usando-a como veículo para anunciar as mais sublime de todas as verdades. Sabedor de que os mestres judeus ilustravam suas doutrinas com o auxílio de parábolas e comparações, Cristo adotou essas antigas formas de ensino e deu-lhes renovação de espírito, com a qual proclamou a transcendente glória e excelência de seu ensino. Depois de Jesus, as parábolas poucas vezes foram usadas pelos apóstolos.

Graças à sua infinidade, Deus lançou mão daquilo com que os seres humanos estivessem familiarizados, com o objetivo de comunicar à limitada mente humana a sublime revelação de sua vontade. Não podemos ensinar dizendo que as parábolas foram usadas para facilitar a compreensão dos discursos de Jesus. Não é bem assim. Nem todos os discípulos de Jesus eram leigos ou sem nenhuma instrução, alguns deles, podemos assegurar que eram cultos e, mesmo assim, teve momentos em que nenhum deles entenderam o que Jesus disse por parábolas: “Explica-nos essa parábola”.

As parábolas, entre outros, tem como objetivo conscientizar aquele que ouve que, se ele não tem condições de assimilar as coisas corriqueiras da vida, como pode almejar a entender as coisas espirituais? Nas parábolas, encontramos a imagem do mundo real, físico e visível sendo emprestada e acompanhando uma verdade do mundo espiritual. As parábolas são os portadores, os canais da doutrina e da verdade espiritual. Cumpre ressaltar que as parábolas não foram feitas para ser interpretadas de uma única forma. Em algumas, há grandes disparidades e aspectos que não podem ser aplicados espiritualmente.

Patrick Fairbairn, escreveu: “pode-se dizer que a parábola é uma narrativa, ora verdadeira, ora com aparência da verdade; exibe na esfera da vida natural um processo correspondente ao que existe no mundo ideal e espiritual. É possível que a Parábola do filho pródigo seja o relato de fatos reais. As parábolas são “pomos de ouro em molduras de prata“.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Todas as Parábolas da Bíblia, Herbert Lockyer

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.