Compreender a necessidade de ouvir conselhos conduz à sabedoria.

Provérbios 15: 22
 “Onde não há conselho os projetos saem vãos, mas, com a multidão de conselheiros, se confirmarão”.

Conformar-se com imitações em lugar daquilo que é original e de valor é um modo pobre de viver. Em várias áreas de sua vida, Roboão trocou o que era verdadeiro pelo falso. Quando assumiu o trono, recebeu conselhos sábios e conselhos insensatos; escolheu impor-se pela força, em vez de seguir o conselho dos mais experientes e sábios que ele, e tratar o seu povo com bondade. Embora sua posição de rei viesse de Deus, ele escolheu abandoná-lo. Essas decisões insensatas tornaram-no mais fraco. Como resultado, Judá foi invadida pelos egípcios e despida da riqueza que herdou de Davi e Salomão. Para substituí-los, Roboão ordenou que se fizessem cópias de bronze dos objetos.

Ao longo da primeira parte de seu reinado, Roboão oscilou entre obedecer a Deus e fazer a sua própria vontade. Aparentemente obedecia a Deus, mas suas motivações eram más. Seguir a fé e a política de Davi daria a Roboão muitas oportunidades de grandeza. Porém, este acabou com um reino dividido e empobrecido. Tal qual como Roboão fez, quantas coisas verdadeiras temos trocado, em nossa vida por aquilo que não é durável? Trocamos corpos saudáveis por uma excitação momentânea, a integridade pessoal por uma riqueza que desaparece rapidamente, a honestidade pela mentira, a sábia direção de Deus pelos nossos caminhos egoístas. Pecamos quando voluntariamente damos pouco valor ao que é verdadeiro, que Deus já nos deu.

Roboão deve ter recebido de Salomão, seu pai, uma visão deturpada de liderança. Aparentemente, só deve ter atentado para as dificuldades de governar a nação, não para as oportunidades, pois mencionou apenas os aspectos mais rígidos do reinado de Salomão e decidiu ser muito mais severo com o povo. Quando discutir suas responsabilidades com os filhos, esteja certo do temperar as queixas com palavras de contentamento. Caso contrário, poderá estar gerando, inconscientemente, uma antipatia em relação ao trabalho que executa ou a quem você serve.

Ao tentar conquistar tudo, Roboão quase perdeu o que possuía. Motivado pela ganância e pelo podei, pressionou o povo excessivamente e dividiu o reino. Não precisava ter mais riquezas, porque havia herdado o reino mais rico do mundo. E não necessitava ter mais poder, porque era o rei. Suas exigências basearam-se no egoísmo, não no bom senso e no discernimento espiritual. Aqueles que insistem em ter tudo acabam muitas vezes com pouco, ou com nada.

Viver uma vida falsa pode enganar algumas pessoas, mas nunca a Deus. Contudo, apesar daquilo que vê em nós, Deus nos oferece misericórdia. Você sabe administrar sua vida, seus talentos e suas oportunidades, a fim de obter os melhores êxitos ou contenta-se com meros? Você se colocou aos cuidados de Deus? Será que as decisões que você deve tomar hoje precisam de uma segunda consideração, levando-se em conta o exemplo de Roboão?

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal (extraído na íntegra pág.605)

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.