Tentemos domar essa fera – 5ª parte

A Língua sob o Controle do Espírito Santo

 

O único que pode transformar a língua, este pequeno membro, em um poderoso “instrumento” a serviço do reino e para glória de Deus é o Espírito Santo. O apóstolo Paulo foi muito objetivo quando disse que a única maneira de nos submetermos à palavra de Deus é através da ação poderosa do Espírito em nós. A inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus… (Rm 8:7). Os que estão na carne não podem agradar a Deus (Rm 8:8) vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós… (Rm 8:9a).

Quando nos submetemos ao Espírito, para que Ele desenvolva em nós o caráter de Cristo, o resultado desta obra é um viver que glorifica ao Senhor. Se a boca fala do que está cheio o coração, o que pode sair de uma vida cheia do Espírito Santo? (Ef 5:18)

 

Assim como os pecados sociais da língua são manifestação das obras da carne, o uso disciplinado da língua, é a manifestação do fruto do Espírito (Gl 5:22). As virtudes do Espírito Santo se manifestando no uso disciplinado da língua.

Amor
É impossível haver saúde em nossas conversas, se não houver a produção do fruto do Espírito em nossas vidas.
Como poderíamos definir o significado do “Ágape“? Podemos definir com base na maneira como o próprio Jesus fala dele em (Mt. 5:43-48). Aqui Jesus insiste que o amor humano deve seguir o padrão do amor de Deus. Qual é a grande marca do amor de Deus? Deus faz vir chuva sobre justos e injustos, e faz nascer o sol sobre maus e bons. Logo, o significado do “ágape” é benevolência invencível, a boa vontade que nunca é derrotada. Ágape é o espírito no coração que nunca procurará outra coisa senão o sumo bem do seu próximo. Não se importa com o tratamento que recebe do seu próximo, nem com a natureza dele; não se importa com a atitude do próximo para com ele, nunca procurará outra coisa a não ser o sumo bem do próximo, o melhor para ele.

Quais são algumas das qualidades do Amor-Ágape:
– O amor é o solo onde são cultivadas todas as demais virtudes espirituais. É neste solo que os dons são plantados e se desenvolvem (1 Co 13).
– O amor é a prova da espiritualidade, e tem seu início na regeneração (1 Jo 4:7,8).
– O amor é a principal característica da família divina. (Jo 14:21; 15:10).
– O amor consiste em querer para os outros aquilo que desejamos para nós.
– O amor inspira e vitaliza a fé (Gl. 5:6).
– O amor é sincero (Rm. 1:29; 2Co6:6; 8:8; 1 P2.1.22). Não tem segundas intenções; não é interesseiro. Não é uma gentileza superficial que serve de máscara para a amargura interior. É o amor que ama com os olhos e coração abertos.
– O amor é inocente (Rm. 13:10).
– O amor é generoso (2 Co. 8:24).
– O amor é prático (Hb 6:10; 1 Jo 3:16).
– O amor é longânime (Ef. 4:2).

 

Nas cartas paulinas, a expressão “ágape” ocorre mais de sessenta vezes. Qual era a compreensão de Paulo sobre o “ágape“? Podemos avaliar através das suas cartas.

– Tudo começa com o amor de Deus, porque Deus é o Deus de Amor (2 Co 13:11). “Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco“.
– É um amor que excede todo entendimento (Ef. 3:19). O amor é sempre um mistério.
– O amor é atmosfera da vida cristã. (Ef. 5:2) “E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave“.
– O amor é motivo universal da vida cristã. “Todas as vossas coisas sejam feitas com amor”. (l Co 16:14)
– O amor é a vestimenta da vida cristã. (Cl. 3:14) “E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição“.
– O amor é o segredo da unidade cristã. (Cl. 2:2) “Para que os seus corações sejam consolados, estejam unidos em amor e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento do mistério de Deus e Pai e de Cristo“.
– O amor é o controlador da liberdade cristã. (Gl.5-.13)

 

Gozo (alegria)

No Novo Testamento o verbo charein, que significa alegrar-se, aparece setenta e duas vezes, e a palavra chara, que significa alegria, aparece sessenta vezes. A saudação grega normal, tanto na conversa quanto nas cartas, é a palavra chairein, e é geralmente traduzida simplesmente por “saudações!” (Atos 23:6). Se fôssemos dar a chairein sua tradução integral e literal teríamos: “A alegria seja contigo!”, e há certas ocasiões no Novo Testamento em que somente a tradução integral é correta.

Esferas em que a alegria cristã deve ser descoberta de modo especial.
A) A alegria da comunhão cristã. (Fm 7). Esta alegria pode ser traduzida em “fraternidade”. É o encontro sadio entre irmãos e amigos, para desfrutar desta alegria, onde não há lugar para “conversas vis”. (Fp 4:10; 2 Co. 7:7,13; 2 Jo 12).
B) A alegria do Evangelho. A alegria da nova descoberta. (Mt 2:10).
C) A alegria de crer (Rm 15:13; Fl 1:25). É bom lembrar que no Novo Testamento a alegria e a aflição andam lado a lado. A despeito da perseguição, os cristãos de Antioquia ficam cheios do Espírito Santo e de gozo (Atos 13:52). “E os discípulos estavam cheios de alegria e do Espírito Santo“. O Evangelho trouxe tribulação à Tessalônica, mas também trouxe alegria.
D) A alegria da obra e do testemunho cristão. A alegria ao ver Deus em ação (Lc. 10:17). Os setenta voltaram com alegria, porque os demônios foram vencidos no nome de Cristo. As palavras de Jesus em (Jo 15:11), deixa claro que o grande propósito do Evangelho é trazer alegria ao coração do homem. “Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo”.

Paz

A palavra paz entrou no Novo Testamento com uma história grandiosa. E a tradução da palavra hebraica shalom. E como paz é traduzida na maior parte das referências em nossos Bíblias, embora existam outras possibilidades tais como: (BV), saúde (SI 38:3) ” Não há coisa sã na minha carne, por causa da tua cólera; nem há paz em meus ossos, por causa do meu pecado“, bem-estar (Como vai ele?) (Gn. 43:27) ” E ele lhes perguntou como estavam, e disse: Vosso pai, o ancião de quem falastes, está bem? Ainda vive?“, prosperidade (riquezas e fama). Shalom realmente significa tudo quanto contribui para o bem-estar do homem, tudo que faz com que a vida seja verdadeiramente vida, concluímos que paz pode significar:

  1. A) Serenidade, tranquilidade, o perfeito contentamento da vida totalmente feliz e segura. ” E o efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre”. (Is. 32:17; SI. 4:

 

Longanimidade

No grego é o makrothumia. Makrothumia não é uma palavra do grego clássico, mas entrou no novo vocabulário cristão com uma história grandiosa, porque é uma das grandes palavras do A.T. grego. No A.T., movimenta-se em três esferas.

A) Significa paciência com os eventos.
B) Significa paciência com as pessoas.
♦  É a base do perdão (Pv 19:11). É o Espírito que leva o homem a adiar a sua ira. Recusar a ficar irado é meio-caminho andado para o perdão.
♦  É a base da humildade. (Ec 7.8) “… melhor é o paciente de espírito do que o altivo de espírito“. Longanimidade, impede o homem de colocar-se no centro e de fazer dos seus sentimentos o padrão para tudo.
♦  É o alicerce da comunhão. (Pv 15:18) “O homem iracundo suscita contendas, mas o longânimo apaziguará a luta“. O homem que sempre está com o dedo no gatilho da sua ira fala sempre o que não deve, e destrói a amizade e a comunhão.

 

Benignidade

No grego é “chrestotes” que significa “gentileza”, “bondade”. Esse termo grego também indica “excelência de caráter”, “honestidade”.

Os seguidores do evangelho não devem ser inflexíveis e amargos, mas antes, gentis, suaves, corteses e de fala mansa, o que deveria encorajar outros a buscarem a sua companhia. A gentileza pode disfarçar as faltas alheias e encobri-las. A gentileza sempre se mostra alegre ao dar algo a outros. A gentileza pode dar-se bem até mesmo com pessoas ousadas e difíceis, segundo aquela antiga declaração paga: “precisas conhecer as maneiras de teus amigos, mas não deves odiá-los”. Nosso Salvador, Jesus Cristo, foi uma pessoa imensamente gentil, conforme os evangelhos o retratam. Ficou registrado que Pedro chorava sempre que se lembrava da suave gentileza de Cristo em seus contatos diários com as pessoas“. (Martinho Lutero)

 

Bondade

No grego é “agathosune“, que pode significar “retidão”, “prosperidade”, “gentileza”. Como diferenciar benignidade (chrestotes) de bondade (agathosume). Lighfoot fez a distinção entre as duas, dizendo que há mais atividade em agathosune. Chrestotes é uma qualidade do coração e emoção; agathosune é uma qualidade da conduta e ação.

Ele escreve “Chrestotes é agathosune em potencial, e agathosune é chrestotes em ação”. Nesta base poderíamos dizer que agathosune é chrestotes em ação.

 

A sétima virtude do fruto do Espírito é no grego “pistis” que pode significar “confiança” e “fidelidade”. As virtudes listadas no fruto do Espírito não são virtudes teológicas, são virtudes éticas. Tem mais a ver com o relacionamento com o nosso próximo do que com Deus. Pistis significa aqui fidelidade; é a confiabilidade e a fidedignidade que torna uma pessoa totalmente confiável e cuja palavra podemos aceitar completamente. A fidelidade é qualidade que os homens buscam em seu próximo, é aquilo que Jesus Cristo procura em Seus discípulos também.

Repetidas vezes Paulo caracteriza seus ajudantes como fiéis no Senhor. Timóteo, Tíquico, Epafras e Onésimo são descritos assim (1 Co 4.17; Ef 6.21; Cl 1.7; 4.9); Pedro usa a mesma palavra a respeito de Silvano (1 Pe 5.12), e João a usa a respeito de Gaio (3 Jo 5). O patrimônio mais valioso que qualquer lider pode possuir consiste nos homens que são fiéis e leais, homens dos quais pode-se contar totalmente com a lealdade e o trabalho fiel. Estes jamais vão trabalhar contra, difamando, murmurando e semeando contenda para dividir.

 

Mansidão

Mansidão é a tradução do vocábulo grego “prautes” que significa “placidez”, “modéstia”, “gentileza”, “cortesia”, como traduções possíveis. Essa é uma qualidade exaltada na terceira bem-aventurança, uma marca no caráter daqueles que haverão de herdar a terra. (Mt 5:5). ” Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;…”

Mansidão não é sinônimo de fraqueza de caráter ou medo. Moisés é um exemplo, quando se trata de “prautes” (mansidão). Ele era um homem que podia irar-se com facilidade quando a ira era necessária, e também podia ser humildemente submisso se preciso fosse. Nenhuma criatura sem caráter, sem espírito ou fraca poderia ter conduzido os homens do modo pelo qual Moisés os conduziu. Moisés tinha uma combinação de força e suavidade. E se esta verdade se aplica a Moisés, aplica-se mais em Jesus Cristo, porque nEle havia ira justa e amor que perdoava.

Prautes é o poder que, mediante o Espírito Santo de Deus, faz a força poderosa e explosiva da ira ser aproveitada no serviço humano e divino. Os mansos são capazes de falar somente o que edifica e transmitem graça aos que ouvem.

 

Temperança

No grego é “egkrateia” traduzido por “temperança”, “domínio próprio” e “auto-domínio”. Na passagem de (1 Co 7:9) essa palavra é usada em relação ao controle do impulso sexual; mas em (1 Co 9:25) refere-se a toda a forma de autocontrole e autodisciplina que um atleta precisa exercer para ser bem-sucedido em suas tentativas de obter a coroa da vitória. Parece que Paulo se utiliza dessa palavra, neste contexto, dando a entender o autocontrole que obtém o domínio sobre os vícios alistados em Gaiatas 5:19-21.

Considero mais corajoso aquele que domina os seus próprios desejos do que aquele que conquista os seus inimigos; pois a vitória mais difícil é a vitória sobre si mesmo” (Aristóteles).

Em Provérbios 16:32 está escrito: “Melhor é o que tarda em irar-se do que o poderoso, e o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade“. A melhor maneira de corrigir qualquer indisciplina da língua, é permitir que o Espírito Santo produza em nós o seu fruto. Aqueles que vivem sob o domínio do Espírito de Deus saberão abrir a sua boca com sabedoria, sempre.

 

Não convém ao tolo a fala excelente, quanto menos ao príncipe o lábio mentiroso“. (Pv 17:7)

Adaptado- A Língua – Domando essa fera (Josué Gonçalves)

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

2 thoughts on “Tentemos domar essa fera – 5ª parte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.