Promessas fundamentadas no Espírito.

Hebreus 8: 10
Porque este é o concerto que, depois daqueles dias, farei com a casa de Israel, diz o Senhor: porei as minhas leis no seu entendimento e em seu coração as escreverei; e eu lhes serei por Deus, e eles me serão por povo

A Tenda do Tabernáculo era dividida em dois ambientes: o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo, os quais eram separados pelo Véu. No Lugar Santo o acesso era restrito, somente o Sumo Sacerdote e o Sacerdote tinham permissão para entrar, era um local de 10 metros de comprimento, ao lado direito de quem entrava, ficava a Mesa da Proposição ou dos Pães Asmos, do lado esquerdo ficava o Castiçal de ouro também conhecido como Candelabro, ao centro e em frente à entrada do Lugar Santíssimo ou Santo dos Santos ficava o Altar de Incenso.

O acesso a Tenda só é permitido aqueles que já participaram do sacrifício de Jesus (Altar do sacrifício) e já estão lavados e purificados pela Palavra (Pia de bronze) “Vós já estais limpos, pela Palavra que vos tenho falado”.
A mobília dentro do lugar Santo, estava disposta segundo orientação divina. A mesa dos Pães da Proposição e o Candelabro ficavam postos no extremo da cada lado do lugar Santo, formando uma linha reta e, o Altar de Incenso estava posto defronte o Véu da Separação.
A mesa é o tipo do próprio Jesus que é o nosso Pão da Vida; dozes pães tipificando as doze tribos e os doze discípulos, união e comunhão. Do outro lado o Candelabro é, também, a tipologia do Cristo como a Luz dos homens, é a unção de Deus que sustenta e abastece as sete lâmpadas do Candelabro. As sete lâmpadas são símbolos da perfeição de Deus, das sete manifestações do Espírito de Deus, conforme Isaías escreve: “E repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do SENHOR” e, também, simbolizam as sete igrejas da Ásia.

Posto em frente ao Véu, estava o Altar de Incenso, simboliza o lugar de adoração. É onde se queimava o incenso, que era minuciosamente preparado para este fim, Deus não aceita incenso estranho sendo queimado no seu Altar. Fala do lugar das súplicas, dos gemidos, das orações e intercessões. Uma simbologia bastante forte para as súplicas, que novamente nos levam à figura do cheiro agradável que sobe aos céus em direção ao Senhor. Ali os sacerdotes dirigiam suas súplicas e a de seus fiéis, já que eram como intermediários entre o povo e Deus. Hoje, graças ao sacrifício supremo de Cristo, falamos diretamente ao Pai. Arão, obrigatoriamente, todas as manhãs e tardes queimava incenso no Altar.

O incenso queimado era uma especiaria rara, meticulosamente preparada, pelos sacerdotes, é um símbolo dos verdadeiros adoradores que o nosso Deus procura. É algo muito raro, mas existe.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.