Deus é quem determina o nosso nascer e morrer.

Eclesiastes 3: 2
Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou

É extraordinário ver nas palavras do sábio Salomão que fomos limitados a um nível máximo de conhecimento. O homem pode até desvendar o processo de como se dá a vida ou a morte, no entanto, em hipótese alguma, tem o poder de determinar com exatidão quando se dá uma ou a outra.

Quando digo que o homem tem um grande desejo de ser um deus, não me refiro apenas nas questões de poder fazer nascer o morrer alguém, falo também, do poder de salvar as pessoas. Existem certas situações, e o suicídio é uma delas, em que agimos como se fôssemos Deus, decidimos por Deus, se o suicida vai para o céu ou para o inferno. Não podemos condenar as pessoas por causa dos seus atos e isso não se aplica apenas ao suicida não, isso abrange a qualquer pecador, somente Deus, e tão somente Ele, sabe quem morre no seu pecado. Isso nos foi velado. Deus não nos pôs como juízes neste mundo, somos os arautos, as sentinelas, os profetas, os evangelizadores, os anunciadores de Boas Novas, a luz e o sal. Nosso papel não é o de determinar o destino das pessoas, mas de anunciar a qual destino seus atos a estão conduzindo. Ou seja, não podemos dizer que determinada pessoa vai para o céu ou inferno, mas sim que os seus atos, se não forem dominados, a conduzirão para um fim desastroso.

O único pecado imperdoável citado na Bíblia é a blasfêmia contra o Espírito Santo, fundamentado nisto, não posso assegurar que qualquer outro pecado que alguém tenha cometido não foi perdoado por Deus. Claro, estou falando de pecados em que foi dado oportunidade de serem confessados e arrependidos, e sugiro que nenhum irmão faça isso. Mas o problema é que achamos que os pecados, somente são confessados e arrependidos quando alguém batiza nas águas e está frequentando uma igreja. A isso eu denomino testemunho de arrependimento.

Quero deixar bem esclarecido que não estou defendendo a atitude do suicida, bem como, não consinto na atitude do adúltero, do homicida, do fornicador, do estuprador, da prostituta, do homossexual, enfim, a lista é grande. O suicídio em qualquer circunstância é um ato que afronta e contraria o mandamento de Deus. Sendo assim, sou terminantemente contra a prática do suicídio, não vejo nele solução para nada, muito pelo contrário, tanto para o suicida quanto para os familiares e amigos a situação se agrava.

Como igreja de Cristo, devemos agir como Cristo agiu nas mais diversas situações. Jesus, em todas as passagens nos deixou um ensino claro e objetivo – salvação da alma. Antes de recriminar, discriminar e fazer acepção de pessoas e seus pecados, devemos, como igreja, anunciar que existe uma oportunidade de resolver qualquer tipo de problema. E, que essa oportunidade não é a igreja com seus obreiros que estão oferecendo, mas é Jesus Cristo o Salvador.

Para Deus nada é impossível, principalmente, perdoar alguém no seu último suspiro de vida.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.