Santidade, o revestimento do crente.

Efésios 4: 24
E vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade.”

A grande maioria dos crentes andam desesperados atrás de uma receita para a santificação. Assim como Nicodemos, querem saber o que é preciso para se santificar e não se preocupam com a necessidade de se santificar. A mensagem da Palavra de Deus não tem como objetivo principal “adestrar” o homem num ritual religioso e fazer do ritual o padrão perfeito de culto e adoração, mas levar o homem a um entendimento de que é extremamente necessário que haja um comportamento que esteja em conformidade com os padrões de Deus. Sendo assim, a questão não é saber como me santificar, mas em ter consciência de que é preciso me santificar.

Carne e espírito pertencem a reinos diferentes, e um não pode produzir o outro. A natureza humana gera a natureza humana, mas somente o Espírito Santo pode gerar a natureza espiritual. A natureza humana somente pode produzir a natureza humana e, nenhuma criatura pode elevar-se acima de sua própria natureza. A vida espiritual não passa do pai ao filho pela geração natural, ela procede de Deus para o homem por meio da geração espiritual. O destino mais elevado do homem é viver com Deus para sempre, mas a natureza humana, em seu estado presente, não possui a capacidade para viver no reino celestial. Portanto, será necessário que a vida celestial desça para transformar a natureza humana, preparando-a para ser membro desse reino. Complicado? Não, claro que não, mas, provavelmente, por conveniência, incompreendido por muitos.

A santificação, ao contrário do que muitos crentes imaginam, não é um processo pelo qual passamos, até chegar em um nível aceitável por Deus, ela não é um processo lento, onde vamos pouco a pouco abandonando o pecado, não é isso. Santificação é um ato definitivo mediante o qual, o crente, pela graça, é liberto da escravidão de Satanás e rompe totalmente com o pecado afim de viver para Deus. A salvação, a justificação e a regeneração são atos exclusivos e definitivos, operados exclusivamente por Deus, nas pessoas do Pai, do Filho e do Espírito Santo. O processo pelo qual passamos a viver depois salvos, é o de nos manter santificados, esse processo é vitalício. Nesse processo, somos progressivamente transformados pelo Espírito Santo à semelhança de Cristo, a medida que permanecemos na comunhão com o Pai. Manter-se santificado é obra diária, continuando por tanto tempo quanto dure a vida. Aqueles que estão batalhando contra tentações diárias, vencendo as próprias tendências pecaminosas e buscando santidade do coração e da vida, não fazem nenhuma orgulhosa proclamação de santidade. Eles são famintos e sedentos de justiça. O pecado parece-lhes excessivamente pecaminoso.

Quanto mais irrepreensível é a conduta do crente temente a Deus, tanto mais ódio se desperta no diabo e seus anjos. Eles se enchem de raiva, porque não podem encontrar nada no caráter moral ou no desempenho dos deveres do crente, algo em que possam basear alguma queixa contra ele. Isso não quer dizer que nossos adversários batam em retirada e desistam da perseguição, PREPARA-TE, ela vai tornar-se mais renhida.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
Bíblia de Estudo Pentecostal

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

2 thoughts on “Santidade, o revestimento do crente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.