Abel inicia o culto divino.

Gênesis 4: 4
E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta.”

Servimos a um Deus exigente. Não que Ele seja exigente a ponto de requerer alguma coisa impossível de se Lhe apresentar, mas que aquilo que se colocar diante dEle como oferta, seja feito com toda devoção e reverência.

Estamos diante de um texto onde relata a ocorrência de dois tipos de cultos de foram oferecidos ao Senhor. Desde o início, o Senhor deixou bem esclarecido que o que lhe atrai não é o que se oferta, mas a condição daquele que está ofertando. Quando nosso Deus diz que não é para comparecermos diante dEle de mãos vazias, Ele não impõe nada sobre a oferta, porque, Ele sabe perfeitamente que os verdadeiros adoradores têm plena consciência do que devem apresentar ao seu Deus, por isso, a vida de quem vai ofertar tem que estar dentro daquilo que Ele estabeleceu como padrão de santidade.

Apesar da Bíblia não mencionar nada sobre as características da oferta de Caim, creio que o que ele trouxe a Deus foram produtos da melhor qualidade. Caim deve ter escolhido os melhores frutos da terra, sua intenção era causar uma boa impressão. Seu objetivo era provar que ele era um excelente cultivador da terra. Caim julgou que os artifícios da adoração o justificariam. Caim, com o péssimo julgamento que fez de Deus, deduziu que o Senhor se inclinaria para seus produtos escolhidos a “dedo”, mesmo que sua vida não estivesse em conformidade com os padrões divinos.

Assim como Caim, muitos “adoradores”, hoje em dia, estão transformando os cultos em espetáculos. Jargões, frases feitas, louvores cheios de sentimentalismo, mensagens com teores apenas motivacionais, orações decoradas e devoção limitada ao templo (igreja), tudo isso estamos vendo num crescimento vertiginoso em tempos atuais.

Por outro lado, temos o culto de Abel, que foi, aparentemente, oferecido nas mesmas condições que o de Caim, só destacando a condição espiritual do ofertante. Primeiro Deus atentou para Abel e depois para a sua oferta. A primeira coisa que devemos observar, ao cultuarmos o nosso Deus, é com a nossa condição espiritual. Deus não receberá o culto de alguém que tenha um modo de vida divergente dos padrões divinos. A adoração, a oferta ou o louvor pode ser o mais deslumbrante que existe, mas se não originar de uma fonte espiritual genuína, de uma vida de devoção e obediência a Deus, não subirão ante a face de Deus.

A adoração sem santificação não tem nenhum significado, isto é, uma adoração que procede de uma vida desequilibrada espiritualmente, não é aceita por Deus. Mesmo que seja o louvor mais inspirado que há, ele não faz com que eu me aproxime de Deus se eu não estiver com minha vida consertada diante do Altíssimo. Prova disso, é que vemos muitas pessoas do mundo, cantando louvores inspirados de alguns cantores crentes, e isso não os torna crentes.

Antes de prestar seu culto ao Senhor, certifique-se de que sua vida está em condição de louva-Lo.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.