O sustento dos obreiros.

I Coríntios 9: 14
Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho

Paulo estava tentando convencer os crentes daquele tempo que a igreja tinha o dever de manter aqueles que se dedicavam a anunciar o evangelho de Cristo, bem como instruir a perseverar neste caminho. E, sua argumentação estava fundamentada naquilo que os crentes daquele tempo tinham às mãos – os escritos do Antigo Testamento. Eles ainda não possuíam um belo exemplar de um livro compilado, impresso e recheado de comentários que facilitam e auxiliam na interpretação, a “Bíblia” deles naquele tempo era somente o Antigo Testamento.

Mas, o que seria viver do evangelho?

Não sou o dono da verdade, mas com toda certeza afirmo que o “viver do evangelho” não é o que temos testemunhado acerca de determinados lideres evangélicos (não estou generalizando e nem condenando o estilo de vida de algumas raras exceções) que têm um padrão de vida, cujo nível socioeconômico está a quilômetros de distancia de seus “rebanhos”. E, não adianta tentar me convencer argumentando que “os tempos são outros”, pois não engulo isso de forma alguma. Não encontramos respaldo na Bíblia, nem procurando com lupa, para esse tipo de procedimento. É terminantemente inconcebível e inaceitável que um líder de igreja se refestele em: casas de causar inveja aos “sultões” da Arábia; banquetes com os mais exóticos pratos; conforto dentro dos mais luxuosos carros e “aviõezinhos” particulares; e, por fim, uma vida repleta de luxos e regalias. Tenho convicção absoluta de que o evangelho que tem proporcionado isso a tais líderes NÃO É O EVANGELHO DE JESUS CRISTO.

“Viver do evangelho”, com toda certeza, não é, também, extorquir o dízimo dos membros da igreja ameaçando-os com argumentos bíblicos distorcidos de irem para o inferno porque estão roubando de Deus. Deus é posto como o “agiota” da história e que vai punir quem não devolver o percentual dEle. A situação é tão séria, mas tão séria, que outro dia fazendo algumas pesquisas pela internet, vi, para espanto meu, que existe salva (para recolher ofertas) blindada. Eu fico me perguntando: quem é mais “pilantra”? O obreiro desonesto ou o líder que julga que todos são iguais a ele.

Bom, então o que é, de fato, viver do evangelho?

Não vou estabelecer um novo padrão, mesmo porque já existe um padrão estabelecido na Bíblia, que sendo a Palavra de Deus, nos obriga a admitir que é o padrão de Deus. A igreja foi estabelecida com um padrão previamente determinado na Bíblia e, é um padrão que parece uma utopia, mas que com GRANDE ESFORÇO é possível e passível de ser alcançado – “E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister”.

Viver do evangelho é viver segundo o que Habacuque declarou – “Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação”. Em suma, o que a Palavra está ensinando é que se faltar o recurso e com que se sustentar da parte do rebanho, nosso Deus proverá todas as coisas.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

One thought on “O sustento dos obreiros.

  • 16 de agosto de 2019 em 15:10
    Permalink

    E os que a muitos ensinam a Justiça, resplandeceram, eternamente, como os astros no firmamento.

    Deus abençoe pele excelente artigo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.