Nós pertencemos a Deus.

I Coríntios 6: 20
Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus

Além do imensurável valor, o que foi pago por nós na cruz foi suficientemente justo, ou seja, não é somente o alto valor que uma vida tem que importa para Deus, era necessário que fosse também um preço justo. E, por preço justo, a Bíblia nos ensina que o ato de Jesus se entregar em sacrifício pela humanidade, é em razão das exigências de Deus – a ação se justifica pela razão (entenda razão, aqui, como aquilo ou aquele que impulsiona a agir).

O intuito de Paulo é levar aos leitores que a condição do homem sem Deus é tal qual um escravo e, por mais que esse homem se esforce, por si mesmo, ou seja, por seus próprios meios, jamais se libertará daquele que o subjuga, que neste caso é o pecado. Diante disto, Paulo, então, neste texto, faz uma alusão ao mercado de escravos e, diferentemente do que ocorria no mercado, onde os escravos eram avaliados por seus dotes físicos, psíquicos e intelectuais, e que por isso, recebiam, distintamente, valores compatíveis com os dotes, ele diz que a humanidade, independentemente dos dotes de cada um, foi comprada por um preço bom (justo). Em outras palavras, o que Paulo está dizendo é que todos os homens tem o mesmo valor diante de Deus. Qualquer ser humano que, agora, pertence a Deus, Lhe custou a vida de Seu Filho. O pertencer a Deus a que Paulo se refere, não aponta para o fato de termos sido criados por Ele, mas fala dos que, agora, Lhe tem como Pai e Senhor.

Paulo quer fazer-nos entender que Aquele que, agora, é nosso Senhor, não nos adquiriu para uma vida de escravidão, muito pelo contrário, fomos comprados para sermos e vivermos gozando de uma liberdade jamais experimentada anteriormente. Diferente do nosso antigo senhor, que nos oprimia e obrigava a realizar por meio do nosso corpo tudo quanto era abominável e desagradável aos olhos de Deus, agora, mesmo tendo consciência de que pertencemos a Deus, de que Ele é o ÚNICO SENHOR de nossa vida, assim, nosso INCOMPARÁVEL Deus não quer que nossas ações, em relação ao que Ele deseja que se realize, tenham a característica de uma atitude realizada por uma imposição, mas que sejam voluntárias e espontâneas.

A Palavra de Deus não nos obriga por imposição a realizar alguma adoração que não tenha origem em nosso íntimo (voluntariamente). Aliás, a Bíblia condena o comportamento de quem só faz aquilo que lhe é sugerido – “Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer”. Ainda que Deus seja o único Senhor de nossa vida, diferente do que algumas pessoas ensinam, Ele não impõe e exige de nós adoração, antes, Ele nos CONVIDA a adorá-Lo. A exigência que nosso Deus faz é que, agora que pertencemos a Ele, se formos adorar alguém, que seja Ele, tão somente Ele.

Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o Seu Santo Nome

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo NAA (Nova Almeida Atualizada)

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.