Fomos alcançados pelo favor imerecido de nosso Deus.

Romanos 3: 24-26
 “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus”.

Quando fomos inocentados de nossos delitos e pecados, os quais sendo indesculpáveis exigiam o cumprimento da lei, o Senhor nos livrou daquilo que os nossos atos mereciam. Por Sua misericórdia, Deus, não exigiu o cumprimento de Sua lei em nós – “Porque o salário do pecado é a morte”. Deus agindo desta forma em favor do homem, em momento algum, deixou de ser Justo ou burlou a justiça para favorecer a humanidade. O que a lei exigia do pecador foi cumprido em Jesus. E, num mesmo ato, nosso Deus, também, manifesta Sua graça concedendo ao homem aquilo que não merecia. Assim, em um mesmo momento, somos alcançados pela misericórdia e graça de Deus, ou seja, no mesmo momento em que não recebemos o que merecíamos, somos imediatamente agraciados com o que não merecíamos.

Quando dizemos que a salvação é gratuita, isso não quer dizer que ela não tem algum valor, mas que, para aquele que deseja salvar-se ela não custa nada, embora para Deus ela tivesse um preço altíssimo. Dizer que a salvação não nos custa nada implica em dizer que não há nada em nós que possa fazer com que Deus agisse a nosso favor. Todavia, nosso Deus, em hipótese alguma nos lançará em rosto o que Ele fez por nós. Justificar-nos gratuitamente é a maior manifestação do amor gracioso de Deus em relação ao homem. E o plano de Deus para que essa justificação ocorresse de maneira que a Sua justiça não fosse burlada, foi o de sacrificar apenas um “homem” no lugar de toda a humanidade.

Quanto ao sermos feitos inocentes (justificados) dos nossos pecados, esse ato de Deus não é feito a revelia, não é feito arbitrariamente. Nosso Deus, embora seja soberano, jamais teria uma conduta que reprovasse Seus atributos. Sendo assim, então concluímos que a nossa absolvição só é possível em Cristo Jesus e, não pelo fato de que Deus quis deliberadamente nos justificar.

É interessante observar que a nossa redenção é “em” Cristo Jesus e não “por” Ele. Mas isso faz alguma diferença? Alguém pode perguntar. Sem duvida alguma faz uma diferença enorme. Ser redimido “em” Cristo implica em ter que permanecer nEle para que a remissão possa ter efeito a que se destina. Estar em Cristo é pertencer-Lhe e ser uma parte de tudo o que Ele tem feito e realizado por meio de Sua obra redentora e, isso é muito diferente do que ser redimido “por” Ele, pois a preposição “por” neste sentido, apenas nos leva a compreender intelectualmente que é através de Jesus que somos redimidos e, compreender intelectualmente que é Jesus quem salva não quer dizer que está salvo.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Moody – Romanos

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.