A unidade dos cristãos leva a um mesmo pensamento e parecer.

I Coríntios 1: 10
 “Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa e que não haja entre vós dissensões; antes, sejais unidos, em um mesmo sentido e em um mesmo parecer”.

Os três atributos da unidade da fé – humildade, mansidão e longanimidade, citados pelo comentarista da lição, o Pr. Douglas Baptista, são imprescindíveis para evitar que dentro da igreja haja dissensões. Tenho para mim que as “preferências” de alguns irmãos sobre quem gostam de ouvir ensinar, “pregar” ou cantar não interfiram na edificação da igreja, conquanto que o “preferido” não permita que a altivez cubra seu caráter ou sobressaia à sua espiritualidade. O problema não está em eu gostar de ouvir determinado irmão ou irmã ministrando o ensino ou louvando ao Senhor, o problema se estabelece quando faço das minhas preferências exigências para a minha edificação, pois minha atitude pode conduzir esse irmão ou irmã a tornarem-se soberbos por causa de suas habilidades e dons.

Paulo quando toma conhecimento do problema que a igreja em Corinto estava enfrentando, imediatamente, escreve-lhes para solucionar o problema antes se agravasse. A questão não era apenas as preferencias dos irmãos em relação aos que estava doutrinando a igreja, tornou-se mais grave, porque se criou grupos – facções – dentro da igreja. Formaram-se grupos partidários de um ou de outro irmão (Apolo, Pedro, Paulo) e, como se não bastasse, havia um quarto grupo que, provavelmente, era o mais complicado, pois este grupo era partidário de Jesus.

Nesta seção desta carta, Paulo começa a chamar a atenção dos crentes sobre a principal característica da igreja – UNIDADE. Essa unidade, evidentemente, não implica na aparência externa do crente, mas, antes, denota em como comportar-se tendo a consciência de que somos o “corpo” de Cristo. A unidade não implica em ter que comer, beber, ou vestir as mesmas coisas, mas, implica em como alcançar os objetivos que são comuns.

Paulo expõe-lhes de forma muito clara que Jesus Cristo não foi dividido e suas várias partes foram distribuídas para diferentes pessoas.  Trata-se de um conceito absurdo e que deve ser imediatamente rejeitado. Paulo não pregava um Cristo, Apolo outro e Pedro outro ainda. Existe apenas um Salvador e um evangelho. Indiscutivelmente, nem todas as pessoas tem o mesmo carisma ou habilidade para transmitir uma mensagem e isso influencia os que ouvem. Isso é normal! O que Paulo queria evitar era que essa atitude natural se corrompesse para um sentimento extremista.

Infelizmente temos uma natureza que gosta de seguir líderes humanos. Estamos inclinados a preferir os mensageiros em detrimento à mensagem. Deixamos de atentar para o Senhor e nos deslumbramos com os servos do Senhor.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.