O altar na vida de Abraão.

Gênesis 22: 9
 “E vieram ao lugar que Deus lhes dissera, e edificou Abraão ali um altar, e pôs em ordem a lenha, e amarrou a Isaque, seu filho, e deitou-o sobre o altar em cima da lenha”.

O sentimento que Abraão nutria por seu filho Isaque era algo mais intenso do que o mero amor paterno. Isaque era a concretização de sonhos vividos por ele (Abraão) e Sara. E, quando o Senhor pede a Abraão que lhe dê Isaque em sacrifício, indiscutivelmente, o Senhor não esperava que Abraão entendesse o seu pedido. O Senhor sabia que, mesmo que Abraão estivesse vivo até os dias de hoje, ele não entenderia. Mas, de fato, nosso Deus não espera que entendamos muitas situações em nossas vidas, Ele tão somente espera que obedeçamos confiantemente no Seu agir, assim como Abraão confiou.

Abraão tinha todos os motivos para prestar um culto “mais ou menos” a Deus. Afinal de contas o Senhor lhe deu um filho e agora o pede de volta. Razão para ficar com a cara emburrada o tempo todo no culto Abraão tinha mais que suficiente. Assim como em nossos dias, quando alguns crentes estão com algum problema, eles chegam na igreja com o semblante “amarrado”, sentam-se no seu lugar cativo e não esboçam nenhuma reação durante todo o culto. Temos a nítida sensação de que é o Senhor o culpado por alguma agrura na vida deles. Entretanto Abraão era um crente avivado. A sua relação com o Deus que se revelara a ele era algo consistente ou, até mesmo podemos dizer que era uma relação sólida.

Confiar em Deus em qualquer circunstância não é para qualquer um. Mas, qual é o tipo de confiança que temos em Deus? Seria a mesma que Abraão tinha depositado em YWHW?

Quando o garoto Isaque perguntou sobre o animal do sacrifício a resposta de Abraão foi contundente – “Deus proverá”. A confiança de Abraão em Deus era a de que a promessa que o Senhor fez sobre a sua posteridade, se cumpriria de uma forma ou de outra. A confiança de Abraão não era a de que o Senhor lhe proporcionasse um escape daquela situação, mas que um povo numeroso procederia de si, assim como o Senhor prometera. A forma como Deus cumpriria a Sua promessa, Abraão desconhecia, mas mesmo assim ele confiava.

Já parou para pensar meu querido(a) leitor(a) que aquele carneiro estivesse ali desde o momento em que Abraão chegou naquele lugar? Embora estivesse firmemente confiante em Deus, pelo relato bíblico, o semblante de Abraão naquele “culto” não era o de satisfação plena. Ele estava cabisbaixo, a sua introspecção não permitiu que ele visse o carneiro que estava ali desde o inicio de tudo – “Então, levantou Abraão os seus olhos e olhou, e eis um carneiro detrás dele, travado pelas suas pontas num mato”.

Não estamos dizendo que se Abraão tivesse visto o carneiro, não teria prosseguido com o sacrifício, mas que, muitas vezes a resposta que estamos esperando do Senhor está tão próximo de nós e não a percebemos porque estamos imbuídos em digerir nossos problemas,

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Broadman – Gênesis

Compartilhar

One thought on “O altar na vida de Abraão.

  • 15 de julho de 2020 em 08:01
    Permalink

    A paz do Senhor Jesus
    Deus abençoe

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.