O altar na vida da Igreja.

Hebreus 13: 10-15
 “Temos um altar de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo. Porque os corpos dos animais cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o Santuário, são queimados fora do arraial. E, por isso, também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta. Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Portanto, ofereçamos sempre, por ele, a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome”.

Nem todos os que glorificam nos cultos alçando suas vozes de maneira que sobressaem aos demais entrarão no Reino de Deus. Nem todos os que com que suas bocas têm falado em nome de Jesus entrarão, de fato, no Céu. Nem todos os que com suas bocas tem profetizado nos cultos em o nome de Deus, herdarão a vida eterna. Nem todos os que com seus lábios tem louvado ao Senhor e mesmo que sejam louvores regados com lágrimas, participarão das Bodas do Cordeiro. Enfim, tem muita gente nas igrejas que estão enganadas consigo mesmas – não estão salvas, ainda não estão.

As palavras acima podem ter um aspecto de julgamento da nossa parte em relação aos irmãos da igreja e, alguns podem até dizer que elas são desnecessárias, mas quero lembrar-lhes que estas palavras não são minhas. Quem disse isso foi o próprio Senhor Jesus – “Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci”.

Louvar a Deus é muito mais do que, simplesmente, entoar hinos nos cultos. O termo louvar, em relação a Deus, tem por significado o seguinte: exaltar, declarar como bendito; bendizer. Cultuar; adorar; e louvar são sinônimos e, por isso, correspondem a um ato somente. Louvar a Deus não se restringe a declarar verbalmente o que Ele é, mas se aplica a toda liturgia do culto. Louvamos a Deus quando nos comportamos reverentemente no culto; louvamos a Deus quando obedecemos à Sua voz; louvamos a Deus quando cumprimos Seus mandamentos – “Amar o próximo como a ti mesmo”;

O sacrifício de louvor é visto como a forma mais pura de adoração do que o sacrifício pelo pecado, porque um sacrifício pelo pecado seria um ato de influenciar Deus para dar perdão. Seria, nesse sentido, um ato egocêntrico, enquanto o sacrifício de louvor seria oferecer a Deus uma oferta incondicional, em reconhecimento pelo que Ele é e pelo que já fez.

Precisamos crer na cidade de Deus mais do que cremos em qualquer coisa aqui na terra. Muitos crentes estão naufragando na fé porque foram instigados a crer que a denominação que frequenta é o Reino de Deus aqui na terra. O reino de Deus já está edificado – “Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Broadman – Novo Testamento 5

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.