Jesus – o profeta prometido.

Atos 3: 22
 “Porque Moisés disse: O Senhor, vosso Deus, levantará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser”.

A predição de Moisés em Deuteronômio – “Então, o Senhor me disse: Bem falaram naquilo que disseram. Eis que lhes suscitarei um profeta do meio de seus irmãos, como tu, e porei as minhas palavras na sua boca, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar”, foi uma profecia a respeito de Jesus Cristo e, segundo a profecia, de que maneira foi Jesus semelhante a Moisés? Bom …, após minucioso exame da Escritura Sagrada, somos conduzidos a enumerar, pelo menos, cinco características que fazem o ministério de Moisés ser semelhante ao de Jesus Cristo – a unção, a vocação, a missão, o exercício do ministério e os elementos no tempo de Moisés que pré-figuravam o próprio Cristo.

Moisés foi ungido pelo Espírito – “Então, eu descerei, e ali falarei contigo, e tirarei do Espírito que está sobre ti, e o porei sobre eles; e contigo levarão a carga do povo, para que tu sozinho o não leves”, nitidamente entendemos que do mesmo Espírito que o Senhor ungiu Moisés, Ele ungiria os anciãos (70) para auxiliarem Moisés na dura tarefa de governar o povo de Deus ; o Espírito do Senhor estava sobre Jesus na pregação do evangelho – “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor”.

Deus usou Moisés para introduzir a antiga aliança e, esta aliança foi selada no monte Sinai diante de todo o povo; Jesus introduziu a nova aliança. Moisés conduziu Israel, tirando-o do Egito para o Sinai, e estabeleceu o pacto de seu relacionamento com Deus; Cristo redimiu seu povo do pecado e da escravidão de Satanás, e estabeleceu um novo e vivo pacto com Deus, por meio do qual seu povo pudesse entrar na sua própria presença. Na antiga aliança o objetivo da lei era revelar o quanto o homem é pecador e na nova aliança o objetivo é revelar o inescrutável amor de Deus evidenciado por Sua misericórdia e graça.

Moisés, nas leis do Antigo Testamento, referiu-se ao sacrifício de cordeiros para prover, em figura, a redenção; sacrifícios que deveriam se periódicos para que o homem jamais se esquecesse da sua condição; na nova aliança o próprio Cristo tornou-se o Cordeiro de Deus para prover salvação a todos quantos o aceitarem. Moisés conduziu o povo à lei, mostrando-lhe a sua obrigação em cumprir seus estatutos para obter a bênção divina; Cristo chamava o povo a si mesmo e ao Espírito Santo, como a maneira de Deus cumprir a sua vontade, e dos fiéis receberem a bênção divina e a vida eterna.

A ênfase do versículo base está sobre os profetas que haviam anunciado a vinda do Messias, mas, é claro que Moisés não foi o único a prenunciar a vinda de Jesus Cristo, pois todos os profetas da antiga aliança deram o mesmo testemunho e, não obedecer aos profetas, era sinônimo de condenação.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudos Pentecostal

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.