Deus conhece a sinceridade do coração dos seus filhos.

Salmos 7: 9
 “Tenha já fim a malícia dos ímpios, mas estabeleça-se o justo; pois tu, ó justo Deus, provas o coração e a mente”.

Este salmo, de Davi, serve de modelo para todas as pessoas que são tratadas com injustiça, falsamente acusadas, ou atacadas por aqueles que as desprezam. A oração deste salmo pode ser aplicada ao maior inimigo do crente que, como leão, quer despedaçar a sua alma, Satanás e as suas hostes demoníacas. Como temos dito com certa insistência, O Espírito Santo ensina que os justos podem crer que Deus os liberta e ajuda em tempos de aflição. Aos que andam irrepreensíveis diante de Deus, podem clamar a Ele com base numa consciência limpa e no sincero empenho de manter a retidão de coração.

Dizer que Deus permite o sofrimento não significa que Deus origina o mal que ocorre neste mundo, nem que Ele pessoalmente determina todos os infortúnios da vida. Deus nunca é o instigador do mal ou da impiedade – “Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta”. Todavia, Ele, às vezes, o permite, o dirige e impera soberanamente sobre o mal a fim de cumprir a Sua vontade, levar a efeito Seu propósito redentor e fazer com que todas as coisas contribuam para o bem daqueles que lhe são fiéis.

O crente para usufruir os cuidados providenciais de Deus em sua vida, tem responsabilidades a cumprir, ou seja, há uma condição estabelecida pelo Senhor, a qual está prescrita em Sua Palavra. O crente deve obedecer a Deus e à sua vontade revelada, porém, neste caso, não basta dizermos que estamos sendo obedientes, pois, as nossas palavras não tem nenhum poder de persuasão, elas por si mesmas não podem convencer a Deus do que estamos falando, por isso, Ele sonda e esquadrinha coração e mente.

Aqueles que temem a Deus e O reconhecem em todos os seus caminhos têm a promessa de que Deus endireitará as suas veredas – “Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal”. O crente deve estar em constante harmonia com a vontade de Deus para a sua vida, servindo-o e ajudando outras pessoas em nome dEle. O crente deve amar a Deus e submeter-se a Ele pela fé em Cristo, se quiser que Ele opere para o próprio bem em todas as coisas.

Pela oração e confiança em Deus, experimentamos a sua paz – “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus”, recebemos a sua força – “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”, a misericórdia, a graça e ajuda em tempos de necessidade – “Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal – (pág. 107 Extraído e adaptado)

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.