Deus cumpre com todas as promessas que Ele faz.

II Pedro 3: 9
 “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se”.

Nosso Deus declara, de forma extremamente clara, que jamais fará alguma coisa sem que antes seja dado aviso – “Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas”. Tem sido assim desde a criação e permanecerá imutável até o juízo final. Aliás, com exceção do tempo em que se darão os acontecimentos, do resto nós estamos devidamente cientes de tudo o que está para acontecer com o mundo e seus habitantes. Talvez, por não ter sido revelado o tempo em que o Senhor exercerá o Seu juízo, seja isso o motivo de muitas pessoas (crentes) estarem vivendo como se as profecias bíblicas são nulas.

Ainda que pareça que a Palavra de Deus, devido a demora, não se concretizará, jamais podemos pensar que Deus se esqueceu das palavras que falou, ou que, na melhor das hipóteses, tenha mudado de ideia. O propósito de o Senhor estar retardando o Seu juízo sobre o mundo é o de dar oportunidade a todos os homens (humanidade) de ouvirem o Evangelho do Reino e, crendo, serem salvos. O desejo sincero do Senhor é o de salvar a todos – “Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, que deseja que todos sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”, mas isso só é possível quando o que ouve o Evangelho da salvação responde afirmativamente ao que é oferecido. Deus não salva quem não quer ser salvo.

O pronome usado por Pedro ao se referir sobre a longanimidade de Deus, não aponta para um grupo específico de pessoas. Pedro não está falando exclusivamente com crentes e, nem tampouco, com ímpios. Entendo que ele esteja apontando para toda a humanidade, neste caso, o “convosco” pode ser qualquer pessoa que estiver lendo a Bíblia e se deparar com este versículo. Desta forma, quando é um ímpio que se depara com essa Palavra, ele deve entender que as profecias ainda não se cumpriram porque Deus deseja dar a ele a oportunidade de ser alcançado pela salvação e, no caso de ser um crente quem estiver lendo, ele deve buscar, com maior dedicação, viver de acordo com a vontade de Deus. Em ambos os casos, sem dúvida alguma, o Senhor estará agindo com longanimidade, oferecendo tempo e oportunidade tanto a um como ao outro.

O Senhor foi longânimo no tempo de Noé. Foram cento e vinte anos desde o aviso até o início das chuvas e, indiscutivelmente, esse tempo não foi gasto integralmente na construção da arca, mas, também na “pregação” da salvação (não o evangelho em si, mas a salvação da morte); o Senhor foi longânimo quando Abraão intercedeu por Ló, o Senhor ouviu pacientemente Abraão antes destruir as cidades e, disse que se nas cidades houvessem dez justos, Ele revogaria Seus decretos; o Senhor foi longânimo com Israel, deu-lhes avisos incessantes e tempo suficiente para se arrependerem antes de envia-los para o cativeiro.

O Senhor está sempre disposto a ser longânimo com todos, mas Ele sabe perfeitamente que nem todos “enxergarão” essa oportunidade.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.