Saulo descobriu que Jesus se fez maldição por nós.

Gálatas 3: 13
 “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”.

Desfazendo qualquer tipo de má interpretação do texto bíblico, Paulo, ao escrever aos crentes da Galácia, não está dizendo que a lei era maldita, mas que, por não haver nenhuma condição de alguém cumpri-la integralmente, todos, consequentemente, estão debaixo da maldição que a lei previa para quem não a cumprisse. Da Sua lei o Senhor assegura – “Assim, a lei é santa; e o mandamento, santo, justo e bom”. O fato de nunca ter havido e de que jamais haverá alguém que cumpra cabalmente a lei do Senhor não se deve na impossibilidade de ser cumprida por ser rigorosa ao extremo, mas na nossa incapacidade de interpreta-la corretamente.

O entendimento que Saulo de Tarso tinha da lei (comentário anterior) não estava errado, porém, estava incompleto. Ele tinha entendido, mas não tinha compreendido. Embora a nossa língua portuguesa traga um mesmo significado para os dois termos – entender e compreender –, sua utilização nas questões bíblicas fazem distinção entre uma coisa e outra. Saulo de Tarso entendeu tudo quanto lhe foi ensinado acerca da lei, mas não compreendeu. Por exemplo: ele entendeu que a cruz era para os malditos, mas não compreendeu por que o Cristo estava nela. Em suma, seu entendimento acerca da lei estava correto, mas sua compreensão do que Cristo estava fazendo na cruz, estava errada.

Saulo de Tarso, como todo judeu, via na lei de Moisés a única forma de alcançar salvação. Todos (judeus ou crentes) os que observam a lei de Deus com essa intenção no coração, na verdade, estão invalidando a obra vicária do Senhor Jesus, pois se alguém guarda a lei de Deus para ser salvo, está fazendo isso para ser achado digno de salvação e, como sabemos e cremos a salvação não é por mérito e sim por fé, e fé em Jesus Cristo.

Os mesmos obstáculos que o evangelho de Cristo enfrentou no início são os mesmos nos dias de hoje, talvez com maior intensidade. Os opositores mais ferrenhos não estão do lado de fora das igrejas. Parece absurdo o que estamos escrevendo, mas não é. A “filosofia” de Balaão continua dando certo até os dias de hoje. Amaldiçoar o povo é impossível, entretanto, é muito fácil persuadi-los de seus propósitos. E como é! Por isso, constantemente, o Espírito Santo tem exortado os remanescentes a perseverarem na fé.

Infelizmente, muitos crentes não compreenderam ainda o que foi realizado na cruz por eles. A morte de Jesus na cruz não pode ser vista como, exclusivamente, uma demonstração do amor de Deus. Entender o que o sacrifício de Cristo nos proporciona muitos entendem, mas compreender o que O levou a entregar-Se para o sacrifício, somente alguns compreenderam.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.