Uma experiência do Espírito após a decisão por Cristo.

Atos 9: 17
 “E Ananias foi, e entrou na casa, e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou, para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo”.

Estou maravilhado com a lição deste trimestre. Vislumbro a ótima e imperdível oportunidade para desfazer inúmeras confusões que alguns “teólogos” dos nossos dias estão criando entorno das teologias de Calvino e Armínio. Hoje, especialmente, o texto bíblico de Atos dos Apóstolos, nos remete a um assunto desconhecido por muitos e incompreendido por alguns – a graça preveniente de Deus. Quando falamos de “graça preveniente” estamos pensando na que “precede”, que prepara a alma para a sua entrada no estado inicial da salvação. É a graça preparatória do Espírito Santo exercida para o homem enfraquecido pelo pecado. Em outras palavras, são as oportunidades que Deus graciosamente vai concedendo ao homem pecador de se voltar para Ele.

A graça preveniente é uma doutrina que, tantos os arminianos quanto os calvinista acreditam e ensinam, entretanto, cada grupo a interpreta de maneira distinta. Em termos gerais, a graça preveniente é simplesmente aquela graça de Deus que convence, chama, ilumina e capacita, e que precede a conversão e torna o arrependimento e a fé possíveis. Este é o conceito básico desta doutrina que, tantos os calvinistas quantos os arminianos aceitam, porém, quanto à sua interpretação os calvinistas a interpretam como irresistível e eficaz; a pessoa em quem ela opera irá crer e arrepender-se para salvação sem fazer qualquer tipo de oposição ou resistência. Por outro lado, os arminianos a interpretam como resistível; as pessoas são sempre capazes de resistir à graça de Deus, como a Escritura chama a atenção – “Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim, vós sois como vossos pais”. Evidentemente que sem a manifestação desta graça, os homens (seres humanos) resistirão à vontade de Deus por causa de sua escravidão ao pecado.

Em um sentido, então, os arminianos, como os calvinistas, creem que a regeneração precede a conversão; o arrependimento e a fé são somente possíveis porque a velha natureza está sendo dominada pelo Espírito de Deus. A pessoa que recebe a total intensidade da graça preveniente (isto é, através da proclamação da Palavra e a chamada interna correspondente de Deus) não mais está morta em delitos e pecados. Entretanto, tal pessoa não está ainda completamente regenerada. A ponte entre a regeneração parcial pela graça preveniente e a completa regeneração pelo Espírito Santo é a conversão, que inclui arrependimento e fé. Estes se tornam possíveis por dádiva de Deus, mas são livres respostas da parte do indivíduo”.*

Cremos (nós arminianos) que a graça preveniente não interfere no livre-arbítrio, ela não torna certa a resposta da vontade. Ela somente capacita a vontade a fazer a escolha livre para cooperar ou resistir à graça. Essa cooperação não contribui para a salvação, como se Deus fizesse uma parte e os humanos fizessem outra parte.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– *https://arminianismo.wordpress.com/2012/09/05/o-que-e-a-graca-preveniente

Compartilhar

2 thoughts on “Uma experiência do Espírito após a decisão por Cristo.

  • 2 de novembro de 2021 em 09:14
    Permalink

    Graça e Paz,tenho aprendido muito com todos os comentários postados aqui no grupo,em especial no blog do comentarista Eriveltom Figueiredo…Deus abençoe!!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.