Antioquia, o ponto de partida do ministério de Paulo.

Atos 13: 1-3
 “E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram”.

Do capítulo 13 em diante, do livro de Atos, os relatos de Lucas vão girar em torno do ministério de Paulo. Até este ponto do livro, a ênfase está na igreja judaica em Jerusalém e na Judeia; doravante, o foco é a igreja gentílica dispersa pelo mundo romano, que teve como ponto de partida a igreja de Antioquia. Ao dar ênfase sobre a “qualidade” dos membros daquela igreja, Lucas está nos dizendo que a igreja de Antioquia estava preparada, em todos os aspectos, para cumprir o “ide” de Jesus. Posteriormente, em suas cartas, Paulo vai falar do papel que cada um destes nomes citados por Lucas, desempenhou na igreja apostólica. Eram pregadores da Palavra de Deus e eram os responsáveis, nos primeiros anos, pela igreja na função de instruir congregações locais.

Servindo eles ao Senhor” – Servir, neste caso, provém de um termo grego que na Bíblia Sagrada descreve serviço sacerdotal. Servir na liderança da igreja é um ato do culto a Deus e consiste no oferecimento de sacrifícios espirituais a Deus, incluindo oração, supervisão rio rebanho, pregação e ensino da Palavra. É importante observarmos que não há nenhuma orientação dada pelo Espírito Santo a estes homens sobre o envolvimento deles na vida política do império Romano. Todo o serviço do sacerdote tem que estar voltado, estritamente, para o cuidado, ensino e sustento do povo de Deus.

Assim como Paulo e Barnabé foram chamados para pregar o evangelho e conduzir homens e mulheres à salvação em Cristo, nós, os que somos a igreja de Cristo nestes dias, temos as mesmas incumbências. Nosso papel neste mundo tem que estar voltado exclusivamente para a obra de Deus. Paulo disse que – “Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra”.

Não se encontra, em nenhum lugar da Bíblia Sagrada, escrito que os missionários do Novo Testamento foram enviados aos campos para realizarem trabalhos sociais ou políticos. O alvo dos missionários era conduzir pessoas a Cristo, livrá-las do poder de Satanás, levá-las a receber o Espírito Santo e organizá-las em igrejas. Os missionários do evangelho de hoje devem ter a mesma atividade prioritária: ser ministros e testemunhas do evangelho, que levem outros a Cristo, livrando-os do domínio de Satanás fazendo-os discípulos, motivando-os a receber o Espírito Santo e os seus dons e ensinando-os a observar tudo quanto Cristo ordenou.

Esta tarefa suprema de pregar o evangelho, no entanto, deve também incluir atos pessoais de amor, de misericórdia e de bondade para com os necessitados. Deste modo, todos que são chamados a dar testemunho do evangelho servirão na causa divina segundo o modelo de Jesus.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo MacArthur
– Bíblia de Estudo Pentecostal

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.