O discipulado é uma ordem do Senhor.

Mateus 28: 19-20
 “Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!”

O discipulado é um ensino imprescindível e fundamental para a formação do caráter do novo convertido. O discipulado não tem como objetivo “criar” crentes denominacionais, ou seja, não é para criar adeptos de dogmas específicos de cada denominação. Sendo mais especifico com as palavras, o discipulado não para a formação de pessoas que vivam de acordo com as “regras” de cada denominação, antes, a razão da sua necessidade se dá pela urgência de formar discípulos de Jesus dentro das igrejas, pois, infelizmente, o que mais temos visto dentro das igrejas é um monte de fãs e seguidores de homens e mulheres. Pessoas tão vazias de espiritualidade quanto qualquer outra pessoa do mundo. E o grande problema é que vão para inferno tendo vivido toda a vida dentro de uma igreja.

O discipulado, com já dissemos algumas vezes, não deve ser interrompido até que o crente esteja caminhando e se alimentando por si mesmo, ele não é um ensino que deva ser ministrado apenas para os novos convertidos e seu tempo de aplicação não tem um limite, é até que o neófito amadureça na fé. Até que seja concluído o amadurecimento do novo convertido, a Palavra de Deus orienta que tal crente não seja usado na obra. Usado, no sentido de assumir uma função ou cargo que exige dele aquilo que está além da sua capacidade.

Biblicamente, o novo convertido é como um recém-nascido. O recém-nato para sobreviver neste mundo necessita do amparo constante da mãe e da proteção do pai. A mãe lhe dá o alimento indispensável para o seu desenvolvimento sadio e o pai, ainda que o recém-nato não tenha a percepção das coisas, é aquele dá provisão à mãe e a ele. Sozinho, sem estas duas figuras presentes em sua vida, é praticamente impossível que um recém-nato sobreviva. A aplicação que estamos fazendo é de acordo com o que a Bíblia ensina e não como a filosofia do mundo diz.

Desta forma, o novo convertido precisa que a mãe (a igreja) lhe alimente. Não há a necessidade de dizermos que o alimento que a igreja fornece tem que ter como fonte exclusiva a Bíblia Sagrada. A necessidade de a igreja dar o alimento próprio para o novo convertido é para evitar que seu desenvolvimento (seu crescimento; seu amadurecimento) se dê prematuramente. Como diz a Sagrada Escritura – “tudo tem um tempo determinado”, assim, até para amadurecer na obra de Deus tem que haver um tempo hábil. Qualquer “fruto” que tem seu amadurecimento forçado perde suas propriedades originais.

O Pai, o Senhor da seara, o dono da obra, é o que dá plena condição para que o novo convertido cresça na graça e no conhecimento. Ele é o provedor de todas as coisas indispensáveis neste processo.

Discipulado é para formar discípulos para Jesus e não para criar membros de igrejas.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.