Tudo o que está escrito serve para o nosso ensino.

Romanos 15: 4
 “Porque tudo que dantes foi escrito para nosso ensino foi escrito, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança”.

Como ensinadores, nas igrejas, devemos sempre enfatizar sobre a necessidade de  conhecermos todos os ensinos das Escrituras, pois eles afetam nossa atitude em relação ao presente e ao futuro. Quanto mais soubermos sobre o que Deus fez no passado, maior será a nossa confiança sobre o que Ele fará nos anos vindouros. Devemos ler diligentemente a Bíblia, para confiarmos que Deus sempre faz o melhor por nós. As Escrituras do Antigo Testamento são da máxima importância para a vida espiritual do crente. A sabedoria e as leis morais de Deus, no tocante a cada aspecto da vida, bem como sua revelação a respeito dEle mesmo, da salvação e da vinda de Cristo, são de valor permanente.

Um grave erro que, às vezes, incorremos é o de aplicar os mandamentos do Senhor apenas naquilo que diz respeito às coisas espirituais. Porém, como podemos perceber através de um exame mais minucioso da Bíblia Sagrada, constataremos que a Lei de Deus abrange a vida do homem em todos os aspectos. A Lei Mosaica, admite uma tríplice divisão: ela regula o comportamento do homem no que diz respeito às questões morais, ela trata das regras determinadas por Deus para um santo viver; ela regula o comportamento do homem como cidadão deste mundo, é a lei civil, que tratava da vida jurídica e social de Israel como nação e, a vida da Igreja, nos dia de hoje, como povo separado para Deus; e, ela regula como deve ser a adoração nos cultos, é a lei cerimonial, que trata da forma e do ritual da adoração ao Senhor por Israel, inclusive o sistema sacrificial.

Evidentemente, não estamos dizendo que a Lei do Antigo Testamento ainda está em vigor nos nossos dias. Não para a igreja do Senhor. Embora existam alguns grupos que fazem questão de observar certos rituais da Antiga Aliança, todavia, eles nunca tiveram e continuam não tendo nenhuma influência sobre a salvação do homem. A lei funcionava como um tutor temporário para o povo de Deus até que Cristo viesse. Nessa função, a lei revelou a vontade de Deus para o comportamento do seu povo; proveu sacrifícios de sangue para cobrir os pecados do seu povo e apontou para a morte expiatória de Cristo.

A salvação no Antigo Testamento jamais teve por base a perfeição mediante a guarda de todos os mandamentos. Inerente no relacionamento entre Deus e Israel, estava o sistema de sacrifícios, mediante os quais, o transgressor da lei obtinha o perdão, quando buscava a misericórdia de Deus, com sinceridade, arrependimento e fé, conforme a provisão divina expiatória mediante o sangue. Israel fracassou exatamente nesse ponto, pois constantemente aquele povo não fazia da fé em Deus, do amor para com Ele de todo o coração e do propósito de andar nos seus caminhos, o motivo de cumprirem a sua lei.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal (pág. 146, extraído e adaptado)
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.