O Espírito Santo em forma de pomba e uma voz do céu identificam o Messias.

Lucas 3: 21-22
 “E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu, e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és meu Filho amado; em ti me tenho comprazido”.

Lucas enfatizou a natureza humana de Jesus. O Messias nasceu em um lar humilde e teve um nascimento pouco divulgado; apenas a pastores e estrangeiros foi anunciado esse acontecimento. Assim, o batismo registrado aqui foi a primeira declaração pública do ministério de Jesus. Em vez de ir para Jerusalém e identificar-se com os lideres religiosos. Jesus foi para um rio e identificou-se com aqueles que se arrependeram de seus pecados. Quando Jesus, com a idade de doze anos, visitou o Templo, já tinha consciência de sua missão. Dezoito anos mais tarde, em seu batismo. Ele começou a colocá-la em prática. Quando Jesus orou, o Pai se manifestou e confirmou a decisão do Filho de agir. Deus entrava na história humana por intermédio de Jesus, o Cristo.

Se o batismo nas águas é um sinal de arrependimento pelo pecado, por que Jesus pediu para ser batizado? As explicações frequentemente dadas são: o batismo de Jesus era um passo imprescindível para Ele cumprir sua missão terrena de identificar-se com nossa humanidade, sujeita ao pecado; ao ser batizado, Jesus endossou o ritual do batismo e deixou um exemplo a ser seguido e, o batismo, é uma das ordenanças para a igreja: o batismo era uma forma de Jesus anunciar o início de seu ministério público; Jesus foi batizado devido aos pecados da nação. O aparecimento do Espirito Santo em forma de uma pomba indicou que o plano de Deus para a salvação estava centralizado em Jesus. Ele foi o Homem perfeito que não precisava de batismo nem de arrependimento, mas foi batizado para nos ensinar.

Em todo o decorrer da história da igreja, houve entre nós, muitos falsos ensinos (e isso está num nível alarmante nos últimos dias). João escreve, em suas cartas, que naquele tempo existia um falso ensino em circulação que dizia que Jesus fora “o Cristo” somente entre seu batismo e sua morte — ou seja, Ele era humano somente até ser batizado, quando então “o Cristo desceu sobre Ele”, e mais tarde o deixou antes de sua morte na cruz. Mas se Jesus tivesse morrido apenas como um homem, não poderia ter tomado sobre si os pecados do mundo, e o cristianismo seria uma religião sem sentido. Somente um ato de Deus pode tirar o castigo que merecemos por nossos pecados.

Muitas pessoas não querem ter sua vida exposta à luz de Deus, porque temem o que será revelado. Não querem ser transformadas. Não podemos ficar surpresos quando estas mesmas pessoas se sentirem ameaçadas por nosso desejo de obedecer a Deus e de fazer o que é certo, porque temem que a luz de Deus que existe em nós exponha alguma perversidade na vida delas. Em vez de darmos lugar ao desânimo, permaneçamos orando, para que tais pessoas sintam que é muito melhor viver na luz do que nas trevas.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal (Extraído e adaptado)

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.