Aspectos presentes e futuros do Reino de Deus.

Mateus 5: 3; 12: 28; 7: 21-22
 “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus
 “Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é conseguintemente chegado a vós o Reino de Deus
 “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas?

No Novo Testamento encontramos glorioso e abundante ensino sobre a responsabilidade e missão do crente no reino de Deus, na sua presente manifestação, ou seja, ainda nesta vida. É responsabilidade do crente buscar incessantemente o reino de Deus, em todas as suas manifestações, tendo fome e sede pela presença e pelo poder de Deus, tanto na sua vida como no meio da igreja onde congrega. Estamos enfaticamente advertidos de que devemos buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e, isso significa priorizar Deus em nossa vida, de modo que nossos pensamentos estejam voltados para sua vontade, nosso caráter seja semelhante ao do Senhor, sirvamos e obedeçamos a Deus em tudo.

Jesus, em Mateus 11: 12, revela novos fatos sobre a natureza dos membros do reino. Ali Ele disse que somente quem se esforça apodera-se do reino de Deus. Isto quer dizer que todo aquele que, movido por Deus, resolve romper com as práticas pecaminosas e imorais do mundo e segue a Cristo, a sua Palavra e seus justos caminhos. não importando o preço a pagar, tais pessoas, resolutamente, buscam o reino com todo o seu poder. Noutras palavras, pertencer ao reino de Deus e desfrutar de todas as suas bênçãos requer esforço sincero e constante — um combate de fé, aliado a uma forte vontade de resistir a Satanás, ao pecado e à sociedade perversa em que vivemos.

Sempre digo que jamais devemos fugir da realidade  nas igrejas. Ser crente não significa ser ingênuo e alienado naquilo que diz respeito às pessoas que estão ao nosso redor, seja na igreja seja no mundo. A gravíssima acusação que Jesus fez sobre pessoas cheias de religiosidade, mas que não tinham um relacionamento pessoal com Ele, demonstra que Jesus está mais preocupado com o nosso comportamento do que com o nosso discurso. Ele quer que façamos o que é certo, e não apenas ensinemos o que é correto.   Aquilo que fazemos não pode ser diferente do que dizemos crer.

No dia do juízo, importará apenas a nossa obediência a Deus e o relacionamento que construímos com Cristo, a partir do momento em que o aceitamos como nosso único Salvador e Senhor. Muitas pessoas pensam que se forem “boazinhas’’ e pregarem “religião”, terão como recompensa a vida eterna. Na verdade, a fé em Cristo é o que contará no Juízo. No dia do Juízo, haverá o ajuste final de contas. Deus resolverá todas as pendências, julgando o pecado e recompensando a fé.

Não conhecerão o reino de Deus aqueles que raramente oram, transigem com o mundo, negligenciam a Palavra e que têm pouca fome espiritual.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.
– Bíblia de Estudo Pentecostal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.