Quem anda nas trevas não pratica a verdade.

1 João 1:6
 “Se dissermos que temos comunhão com ele e andarmos em trevas, mentimos e não praticamos a verdade”.

A questão da Bíblia insistentemente nos advertir sobre a santificação se sustenta sobre o propósito de Deus em legitimar a nossa filiação e cidadania, neste caso, quando nos referimos a autenticidade de um crente, não estamos apontando para os costumes e tradições da igreja que frequenta, mas para sua característica de filho de Deus e de cidadão do Céu. Não tem como legitimar essas duas características projetando apenas mudanças externas (roupas, cabelos, maquiagens, etc.). Esse é um grave erro que, muitas das vezes, cometemos. Muitos crentes estão se enganando julgando que a sua denominação é o Reino de Deus.

Ter comunhão com Deus não se limita a ser um assíduo frequentador de igreja. Tem alguns crentes que não perdem nenhuma reunião na sua igreja. Agem assim como se esse tipo de comportamento fosse a garantia de comunhão com Deus. Comunhão com Deus se obtém através da obediência – “Tem, porventura, o Senhor tanto prazer em holocaustos e sacrifícios como em que se obedeça à palavra do Senhor? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros”. É óbvio que não estamos desprezando o fato de sermos assíduos nas reuniões de nossas igrejas, mas, simplesmente, afirmando que este comportamento não pode estar dissociado de nossa comunhão com Deus.

A pessoa que tem comunhão com Deus não compactua com as trevas e, compactuar no sentido bíblico fala das pessoas que consentem, cedem, agem com conivência ou transigem com qualquer coisa que está relacionada ao sistema moral corrompido e degradado do mundo. O Senhor disse claramente em Sua Palavra que – “… qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”. E a pergunta é: quem na condição de inimigo pode dizer que está em comunhão com o outro?

Falar a verdade não é mesma coisa que praticar a verdade. Satanás, em algumas de suas citações na Bíblia, falou a verdade. Por exemplo, na tentação de Jesus – “Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra”. Isso realmente está escrito, então, neste caso, ele falou a verdade, porém, o fato dele ter dito uma verdade não fez dele um praticante dela, muito pelo contrário, ele é o pai da mentira.

Sempre houve no meio da igreja pessoas que não somente falam a verdade, como também, a ensinam e pregam nos púlpitos, entretanto, tais pessoas não vivem a verdade que pregam ou ensinam.

Erivelton Figueiredo

Deus abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.