Devocional Lição 04/ 3º trim 2017, Quinta-feira – A morte de Jesus foi expiatória.

Hebreus 10:12
Mas este, havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados, está assentado para sempre à destra de Deus

Sendo Deus santo, justo e reto, sua natureza requer que o pecado seja punido com a morte espiritual, física e eterna, e a única forma de sermos salvos é encontrando um substituto que possa pagar a penalidade do pecado em nosso lugar. Portanto somente o Jesus-Deus-Homem poderia cumprir com as exigências para o substituto perfeito. Contudo a Bíblia ensina que não basta ter a culpa dos pecados removida para alcançar vida eterna. Deus requer que vivamos uma vida justa. Uma vida vivida em perfeita obediência ao Pai para que ao fim alcancemos a vida eterna.

O pecado e a impureza tornam uma pessoa incapaz de estar na presença de Deus e poluem o santuário impossibilitando a habitação de Deus ali. A oferta pelo pecado tem por função tratar desse aspecto do pecado, purificando tanto o adorador quanto o santuário.
A expiação de culpa no Antigo Testamento somente era possível mediante o sacrifício de animais com o derramamento de sangue; e o derramar do sangue propiciava o povo enquanto indivíduo e enquanto povo a estar na presença de Deus sem ser aniquilado. Os animais sacrificados representavam o castigo aplicado como conseqüência da violação da justiça de Deus e o sangue derramado e aspergido sobre o altar proclama a remissão e o perdão dos pecados. O Antigo Testamento fornece provas suficientes desta compressão; e a grande tese que permeia toda a Escritura “sem derramamento de sangue não há remissão de pecados”, encontra aqui, elementos suficientes para sustentar este princípio divino.

A maior manifestação do amor de Deus repousa no envio de Jesus Cristo, o Seu Filho unigênito para a salvação de todo aquele que Nele haveria de crer. A promessa tão aguardada enfim estava se cumprindo, era a plenitude do tempo, onde as promessas do Pai seriam realizadas. Em Jo. 3:17 Ele próprio, o Filho, declara ter sido enviado ao mundo não para julgar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele; declarando assim a sua profunda consciência de que o Pai o tinha enviado e que ele precisava fazer a obra do Pai. Jesus tinha a plena convicção de que sua vida e morte consistia no cumprimento das profecias do Antigo Testamento.

Jesus entendia que sua morte construía um resgate, indicando que a oferta de sua vida seria o meio pelo qual muitos seriam libertos da escravidão. Jesus se via também como substituto. Esse conceito é especialmente proeminente no evangelho de João. Ele disse: “Ninguém tem amor maior do que este: de dar a própria vida em favor de seus amigos”. Ele estava aqui estabelecendo um princípio de ampla aplicação. A ocasião desta afirmação era às vésperas de sua crucificação e o que estava na mente de Jesus era que a sua morte seria uma morte vicária, substitutiva, quando Ele morreria em lugar de muitos.

Sendo assim, meus amados, precisamos da justiça de Deus continuamente em nossas vidas, para podermos alcançar a vida eterna, por isso, era absolutamente necessário que Jesus viesse para cumprir toda a justiça por nós.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.