Devocional lição 08/ 3º trim 2017, Sexta-feira – O relacionamento do casal é comparado ao de Cristo com a sua Igreja.

Efésios 5:25-28
Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo

O padrão que Paulo determina para os maridos, na sua carta aos efésios, é extremamente elevado: amem sua esposa “como também Cristo amou a igreja”. Paulo exalta o amor conjugal ao nível mais alto possível, pois vê no lar cristão uma imagem do relacionamento entre Cristo e a Igreja. Deus instituiu o casamento por vários motivos. Dentre os vários motivos, o casamento supre as necessidades emocionais do ser humano: “Não é bom que o homem esteja só“. O casamento também tem o propósito social de gerar filhos para dar continuidade à raça humana. Tem também um propósito físico do casamento: ajudar o homem e a mulher a satisfazerem os desejos naturais que Deus lhes deu. Mas, nesses versículos, Paulo fala de um propósito espiritual do casamento, à medida que o marido e a esposa experimentam, um em relação ao outro, a submissão e o amor de Cristo. 

Se o marido tomar o amor de Cristo pela Igreja como padrão para o amor por sua esposa, ele a amará de modo sacrificial. Cristo entregou-se pela Igreja; da mesma forma, o marido entrega-se, por amor, à esposa. Jacó amava tanto a Raquel que se sacrificou catorze anos trabalhando para obtê-la como esposa. O verdadeiro amor cristão “não procura os seus interesses“, não é egoísta. Se um marido é submisso a Cristo e cheio do Espírito Santo, seu amor sacrificial pagará de bom grado o preço necessário para que sua esposa possa servir e glorificar a Cristo no lar.

O amor do marido também será santificador. O termo santificar significa “separar”. Na cerimônia de casamento, o marido é separado para a esposa, e esta é separada para o marido. Qualquer interferência nesse arranjo feito por Deus é pecaminosa. Nos dias de hoje, Cristo está purificando sua Igreja pelo ministério de sua Palavra. O amor do marido pela esposa deve ser purificador para ela (e para ele), de modo que ambos possam se tornar cada vez mais semelhantes a Cristo. Até mesmo seu relacionamento físico deve estar sob o controle de Deus, a fim de ser um canal para o enriquecimento espiritual e para o prazer pessoal. O marido não deve “usar” a esposa para seu prazer; antes, deve demonstrar um amor bondoso, mutuamente gratificante e santificador. O casamento é uma experiência de crescimento constante quando Cristo é o Senhor do lar.

A Igreja de hoje não é perfeita; tem máculas e rugas. As máculas são causadas pela contaminação exterior, enquanto as rugas vêm da deterioração interior. Uma vez que a Igreja é contaminada pelo mundo, precisa ser sempre purificada, e o agente dessa purificação é a Palavra de Deus. À medida que a Igreja é nutrida pela Palavra, essas rugas devem desaparecer. Como uma linda noiva, a Igreja deve ser pura e jovem, o que é possível por meio do Espírito de Deus aplicando a Palavra de Deus.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.