Apostasia, um perigo na vida de quem viveu as realidades do Reino.

Hebreus 6: 5-6
“… e provaram a boa palavra de Deus e as virtudes do século futuro, e recaíram sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus e o expõem ao vitupério.”

É interessante observar que tudo quanto é inerente ao desenvolvimento das capacidades humana, sejam intelectuais, racionais ou motoras, tem muita aplicação em nosso desenvolvimento espiritual. Por exemplo, a primeira vez que nos deparamos com o mar, a grande maioria das pessoas, vai explorando a profundidade da praia para se sentirem seguras e, assim, elas mesmas estabelecem limites para si. Não adianta alguém dizer que tal ponto é seguro, nós é quem vamos estabelecer isso. Da mesma forma é quando aprendemos a dirigir. Tenho certeza que nenhum dos leitores, que dirige, aprendeu a dirigir numa velocidade de 100km/h., na realidade, começamos bem devagar e na medida que fomos conquistando confiança, a velocidade foi, progressivamente, aumentando e, hoje, a confiança que temos na nossa capacidade é tão forte, que andamos sempre acima da média permitida por lei e não damos a devida atenção as sinalizações.
Por que devo fazer uma curva a 60km/h, se minha capacidade permite que eu a faça a 80 ou 90km/h? É exatamente isso que não conseguimos compreender, pois o perigo não está na nossa capacidade, mas, nos perigos que rondam ela e, incontestavelmente, quando a nossa capacidade foge ao controle, ficamos completamente desnorteados. A nossa vida espiritual não é diferente disto.

É muito comum vermos e, provavelmente, já termos vivido de modo semelhante, pessoas que em certo momento da caminhada para o Céu, se sentiram tão seguras da salvação que julgaram não ser preciso tanta vigilância quanto a Bíblia adverte. O sentimento que tais pessoas têm é o de que a salvação é algo tão evidente que nada, absolutamente nada, pode se opor a ela. Daí todas as advertências bíblicas são ignoradas ou julgadas inúteis para um crente que já está a tanto tempo na caminhada. As sinalizações de trânsitos e as advertências bíblicas não se aplicam somente aos que são iniciantes, elas são para quem está na caminhada, independente do tempo. A cautela com que cada um vai tratar as advertências, vai depender da diligencia com que cada um administra a própria vida.

A administração de nossas vidas é responsabilidade nossa. Quando o Senhor pede para entregarmos o nosso caminho a Ele e confiar, Ele não está sugerindo lhe entregarmos uma lista de desejos e ficarmos de braços cruzados esperando o resultado, não é isso! A responsabilidade, é nossa, de planejar o nosso caminho, bem como, tudo quanto acontecer no trajeto, até o destino, porém, quando entregamos nossos planos ao Senhor e os executamos dentro da Sua boa, perfeita e agradável vontade, podemos estar confiantes de que o Senhor fará com que todas as coisas cooperarão para o nosso bem.

Sendo assim, se, com diligencia, atentássemos para todas as advertências bíblicas sobre os perigos que nos cercam e que ameaçam nossa comunhão e salvação, estaríamos seguros de que, sem nenhum prejuízo, chegaríamos ao nosso destino.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.