Apostasia, um perigo na vida de quem foi regenerado.

Hebreus 6: 4
Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo; …”

A grande maioria de homens e mulheres que vivem nas ruas em decorrência dos vícios, são pessoas desviadas de igrejas evangélicas. São pessoas que no momento das investidas de Satanás, estavam desprovidas das armas necessárias que um crente tem, a sua disposição, para enfrentar o diabo. Armas, essas, que não são compradas com dinheiro e, muito menos, adquiridas pela capacidade ou condição de cada crente. Elas são outorgadas a quem, voluntariamente, se dispõe a obedecer a Palavra de Deus e, que nos serão úteis no momento oportuno.

Sempre digo que o diabo não tem interesse em derrubar quem já está no chão. O seu prazer é ver no chão, aqueles que um dia foram justificados, regenerados e que agora vivem num processo de santificação com o fim de alcançar os Céus. Contra estes, o diabo investe de forma cruel, impiedosa, maliciosa e ininterrupta, até ver seus planos satisfeitos. O que muitos crentes não entendem, ou, talvez não tenham sido ensinados, é que o diabo não sai por aí, dando golpes a esmo, os seus alvos são escolhidos metodicamente e sua estratégia vária de pessoa para pessoa. A tática que ele usa é sempre a mesma: explorar as fraquezas das pessoas, tal como os amalequitas investiram contra o povo de Deus no deserto, assim o diabo age na vida da igreja. O seu foco sempre será os que, fragilizados na fé, andam atrás. Estes são os que nunca se envolvem com os serviços na igreja, sempre se justificam, e se escusam com as mais esfarrapadas desculpas. Não estendem as mãos a ninguém, mas querem todas as mãos estendidas para eles. Não trabalham, mas, criticam os que trabalham.

Talvez, eu digo talvez, o número de desviados de igrejas evangélicas seja tão alto por causa do número de mestres ser tão pequeno e, acredito que, o número de mestres é pequeno por causa da visão deturpada que os líderes ou pastores tem do Reino de Deus. É a mesma situação do cego que Jesus curou, ele tinha começado a ter um discernimento das coisas, mas, que ainda não era pleno, e, ele poderia ter dito pra Jesus o seguinte: “Beleza, Mestre! Já vejo tudo”. Mas, ele reconheceu seu estado e percebeu que ainda não estava apto a discernir as coisas e, então, declarou o que via, então, Jesus ajudou-o, devolvendo uma visão plena e perfeita.

Não estou querendo apontar um culpado pela situação destas pessoas, e, mesmo que fosse encontrado um culpado, a situação não se resolveria por si. O objetivo é evitar que a situação se agrave. É despertar “os que estão para morrer”, e que não são poucos, dentro das igrejas. São pessoas que estão, passo-a-passo, se apostatando da fé, estão esgueirando-se da comunhão com os santos e que estão tendo uma vida espiritual dissimulada.

Nunca, em toda a história da igreja, viveu-se um tempo de apostasia como o nosso. O nível de apóstata é alarmante e, as características dos apóstatas se tornaram maléficas, pois, estes não apenas permaneceram dentro das igrejas, como também assumiram o seu governo.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.