O exemplo de Jesus, autor e consumador de nossa fé.

Hebreus 12: 2
Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.”

Satanás de forma sagaz, alicia nossa consciência, para sermos convencidos da nossa real condição e, com isso demonstrar o quão somos, verdadeiramente, indignos da salvação e, consequentemente, dignos de receber o salário que está proposto para todo e qualquer pecador. Ele usa uma verdade para fundamentar uma mentira – Deus é perfeitamente justo e grande inimigo e vingador de toda iniquidade – e, assim, com êxito, consegue cegar alguns a respeito do grande poder de Jesus Cristo em libertar verdadeiramente as pessoas. Somente em Jesus Cristo, podemos encontrar tudo o que é necessário e bastante suficiente para conter os assaltos de Satanás.

Satanás fala da justiça de Deus como se ela fosse de forma exclusivamente punitiva. Ele tenta “pintar” Deus como se fosse um carrasco, com seu machado as mãos, numa ânsia desesperada em usá-lo contra os homens. Ele tenta, e consegue em alguns momentos, convencer os homens, de que são eterno devedores. Satanás fala da nossa natureza com muita propriedade, fala das nossas iniquidades e transgressões que nos separam de Deus. Seus argumentos são tão fortes que, infelizmente, tem convencido os que andam incautamente a buscar em si mesmos, algo que se possa acrescentar de maneira eficaz ao sacrifício de Jesus.

O que diremos, pois, a Satanás? Afinal de contas, a nossa natureza é de fato corrupta e tendenciosa ao pecado e, por mais que nos esforcemos, ainda assim, nos vemos em circunstâncias de fraquezas; por mais que vigiemos e oremos para não cair em tentação, ainda assim, em algumas situações no vemos cercados; enfim, por mais que resistamos ao diabo para ele fugir de nós, ainda assim, indiscutivelmente, ele revolverá seu ataque. Como responder com autoridade as acusações de Satanás?

Bom, nosso argumento deve ser o mais simples, sincero e honesto e, diremos, usando as palavras de maneira mui firmes, o seguinte: “Satanás, você disse uma verdade. Realmente, Deus é justo, eu creio nisso, mas eu creio que a justiça de Deus é suficiente para aceitar que a dívida que eu tinha com Ele foi paga de forma eficaz, satisfatória e definitiva pelo sacrifício de Jesus Cristo. Você falou outra verdade digna de nota, Enganador, sobre minhas iniquidades e transgressões. Realmente, eram multidões e, você disse muito bem, o que eu merecia era morrer, entretanto, eu digo que, todas elas, nenhuma foi esquecida ou deixada para trás, foram de maneira definitiva vingadas e punidas em Jesus Cristo. Sim! Jesus suportou, pois é o único com essas condições, todo o julgamento que Deus tinha reservado para a humanidade.”

Não podemos consentir que Satanás com seus argumentos falazes queira nos enganar acerca da nossa salvação. Devemos nos apropriar com fé da nossa salvação, sabendo que tudo quanto Deus exige do pecador, foi, perfeitamente, cumprido em Jesus Cristo: a dívida foi paga, a nota foi rasgada, o que estava escrito sobre nós, que nos acusava, foi lançado no mar do esquecimento e, se o próprio Deus não tem lembranças das nossas falhas, por que devemos dar ouvidos a voz do acusador?

Fomos revestidos por uma perfeita justiça que nos é dada pela fé como se ela fosse nossa, por isso somos aceitos por Deus.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.