A sabedoria dos levitas.

Malaquias 2: 6-7
A lei da verdade esteve na sua boca, e a iniquidade não se achou nos seus lábios; andou comigo em paz e em retidão e apartou a muitos da iniquidade. Porque os lábios do sacerdote guardarão a ciência, e da sua boca buscarão a lei, porque ele é o anjo do SENHOR dos Exércitos.”

Levi tinha tudo para ser, apenas, mais um número de estatística. Seria apenas mais um integrante da raça humana, engrossando as fileiras dos que vivem marginalizados, esquecidos e ignorados. Não era o primogênito de uma família, onde a cultura social da época, destinava todos os benefícios e responsabilidades familiares ao primeiro filho do casal. Contudo, mesmo que tivesse sido o primogênito de sua mãe, não seria reconhecido pelo pai, que desprezava a sua mãe. Levi tinha tudo para ser apenas mais um homem que não entraria para história. Seu nome, dentro da ótica humana, jamais seria citado em qualquer lugar da história da humanidade. Não havia motivos para isso, ele seria apenas um homem comum, com uma vida comum e, da mesma forma como entrou no mundo sairia dele sem ser notado.

Todavia, Paulo na sua carta aos crentes da igreja de Corinto, declarou que “Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são”, com Levi não foi diferente. Pelo currículo, Levi não possuía a mínima qualificação para exercer influência positiva na geração procedente, pois, o próprio Jacó o excluiu das bênçãos paternas, mas, quando criou o homem, Deus teve o cuidado de imprimir genes que fizessem distinção de personalidade de cada ser que fosse nascendo, assim, os filhos, nem sempre, seguirão as pegadas dos pais no tocante ao caráter inescrupuloso, A reputação do patriarca Levi está ancorada na ideia de uma pessoa firme, dura demais em relação à honra. Para os propósitos de Deus não existem barreiras nem impedimentos.

Não podemos deixar de lembrar que nem todo levita era sacerdote, mas, invariavelmente, todo sacerdote tinha que ser levita, os que não alcançavam esta posição, auxiliavam em todo o serviço no templo. Em suma, toda obra relativa ao templo, era realizada exclusivamente pelos levitas. Deus na sua presciência destinou a Levi, mesmo com seu péssimo currículo, a honra de ser o genitor da ordem sacerdotal de Israel.

Foi no deserto, no episódio da adoração do bezerro de ouro, que os levitas demonstraram seu temor e fidelidade a Deus. A Palavra de Deus registra que quando Moisés conclamou os que eram do Senhor, todos os que pertenciam a tribo de Levi atenderam ao chamado. Ninguém tinha a menor ideia do que o Senhor iria requerer e, mesmo depois de ouvirem qual era a ordem de Deus, não temeram, e com extrema fidelidade puseram em execução a vontade de YHWH.

Levi teve três filhos: Gérson, Coate e Merari. O trabalho dos Levitas foi distribuído de acordo com suas famílias. Cada uma das três famílias de Levi tinha deveres especiais. Os filhos de Coate estavam incumbidos de transportar os móveis, depois que os mesmos fossem cuidadosamente cobertos pelos sacerdotes. Os filhos de Gérson cuidavam das cobertas, cortinas e véus. Os filhos de Merari tinham a tarefa de transportar e erguer a armação do tabernáculo e seu átrio.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.