Fomos criados para praticar as obras que glorificam a Deus.

Efésios 2: 10
Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.”

O propósito da carta de Paulo, é levar aos crentes de Éfeso e a todos quanto a lessem, um discernimento mais claro e amplo do corpo de Cristo – a Igreja. Quando nos convertemos a Cristo, não podemos ter nesse ato, apenas o entendimento de um ponto final numa vida de pecados, antes, a nossa conversão é o ponto de partida para uma vida dinâmica em obras, as boas obras de Cristo, que Deus realiza através da igreja – o corpo de Cristo. Isso não significa que Deus só opera dentro de templos, mas que Ele deseja usar todos os que se esforçam para chegar ao nível estabelecido por Ele.

Quando, pela fé em nós operada, nos voltamos para Deus com arrependimento sincero e confissão de pecados, não somos, instantaneamente, feitos semelhantes a Cristo, isso é um processo que todo crente, que queira atingir essa condição, deve se dispor a passar. Ao nos fazer novas criaturas, Deus não dá por realizada a obra que queria realizar, seu desejo é que nos tornemos cada vez mais semelhantes a Cristo, e para isso, o Espírito Santo trabalha incansavelmente em nós para que atinjamos esse nível. Deus não descansou após ter concluído a criação do homem, Ele só descansou depois que concluiu, delegou responsabilidade e colocou o homem no lugar em que o próprio Senhor tinha criado para o homem.

A obra que Jesus realizou na cruz, é uma obra que somente Ele podia realizar, nenhum homem, em toda a história, está apto para isso, porém a obra que nós realizamos hoje, como igreja de Cristo, é uma obra que, apesar do auxílio divino que temos, deve ser realizada exclusivamente por nós. E, o auxilio divino que recebemos, é para evitar que realizemos esse trabalho conforme nosso entendimento. Há uma obra a realizar, contudo, os parâmetros para sua realização são estabelecidos por Deus. Uma direção já estava previamente determinada e, dela, não podemos nos esquivar.

A nossa conversão é uma experiência extraordinária, contudo, não podemos fazer dela a única que interessa a Deus, além dela, o nosso Senhor deseja que nos empenhemos dedicadamente aos interesses do Reino dos Céus.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.