A Palavra de Deus é apta para discernir os pensamentos do coração.

Hebreus 4: 12
Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.”

A inerrância da Palavra de Deus, não significa que os mais de quarenta escritores não tinham faltas em suas vidas, antes, as suas faltas, falhas e limitações foram preservados de ensinos. Eles podem ter tido concepções errôneas acerca de muitas coisas, mas não as ensinaram; por exemplo, quanto à terra, às estrelas, às leis naturais, à geografia, à vida política e social etc.

         A inerrância da Palavra de Deus, também não significa que não se possa interpretar erroneamente o texto ou que ele não possa ser mal compreendido. A inerrância não anula a flexibilidade da linguagem como veículo de comunicação. É muitas vezes difícil transmitir com exatidão um pensamento por causa desta flexibilidade de linguagem ou por causa de possível variação no sentido das palavras.

         A Bíblia vem de Deus. Será que Deus nos deu um livro de instrução religiosa repleto de erros? Se em Deus há erros sob a forma de uma pretensa revelação, isso vai perpetuar os erros e as trevas que professa remover. Pode-se admitir que um Deus Santo associasse o Seu nome a algo que não seja a expressão exata da verdade?

         Diz-se que a Bíblia é parcialmente verdadeira e parcialmente falsa. Se é parcialmente falsa, como se explica que Deus tenha posto o seu selo sobre toda ela?  Se ela é parcialmente verdadeira e parcialmente falsa, então a vida e a morte estão a depender de um processo de separação entre o certo e o errado, que o homem não pode realizar.

         Cristo declara que a incredulidade é ofensa digna de castigo. Isto implica na veracidade daquilo que tem de ser crido, porque Deus não pode castigar o homem por descrer em algo que fosse supostamente falso – “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade”. Aqueles que negam a infalibilidade e inerrância da Bíblia, geralmente estão prontos a confiar na falibilidade de suas próprias opiniões.

Que as Escrituras são de origem divina é assunto resolvido. Deus, na sua palavra, é testemunha concernentemente a si mesmo. Quem tem o Espírito de Deus deposita toda a confiança nela como a Palavra de Deus, sem exigir provas nem argumentos. Portanto, sob o ponto de vista legal, a Bíblia não pode estar sujeita a provas e argumentos.

O presente século é caracterizado por ceticismo, racionalismo, materialismo e outros “ismos” sem conta. A Bíblia, em meio a tais sistemas, sempre sofre grandes ameaças. Até há pouco tempo, a luta do Diabo visava destruir o próprio Livro, mas vendo que não conseguia isso, mudou de tática e agora procura perverter a mensagem do Livro. Seitas e doutrinas falsas proliferam por toda parte coadjuvadas pelo fanatismo e ignorância prevalecentes em muitos lugares.

Se alguém lhe perguntar: “Por que você crê que a Bíblia é a Palavra de Deus?” – saberá você responder adequadamente?

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– BIBLIOLOGIA: DOUTRINA DA BÍBLIA
– A Bíblia através dos Séculos – Antônio Gilberto

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.