A oração dos crentes é como o incenso aromático que sobe às narinas de Deus.

Apocalipse 5: 8
E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos.”

Neste último devocional deste trimestre, no qual abordamos o assunto sobre a batalha espiritual que todo crente, indiscriminadamente, enfrenta, quero falar-lhe sobre algo que é estritamente pessoal, é algo que diz respeito ao nosso modo de conduzir a própria vida, como servos de Deus, e que, em muitos casos, não há uma confissão ou, até mesmo, uma admissão, de nossa parte, da miséria espiritual que estamos habituados a viver, e isso é por causa do comodismo espiritual que vivemos,

Em primeiro lugar quero lhe fazer uma pergunta, e antes que me julgues, quero lhe informar que estou tão envolvido nesta situação como a maioria dos crentes. Todavia, essa maioria a quem me refiro são os que confessam e admitem estar vivendo desta forma, pois há os que estão na mesma situação que nós, porém vivem iludidos quanto a real condição, da qual vivem, diante de Deus. A pergunta é:
– Você se lembra da última vez em que Deus atuou em atendimento à sua oração? Deixa eu ser mais explícito, o que estou perguntando é se você se lembra quando foi a última vez em você tenha visto, de fato, o operar do Senhor mediante a um pedido, um clamor ou uma intercessão que você tenha feito e, não precisa ser especificamente na sua própria vida, que seja, também, coletivamente. Quando foi? Não se lembra?

Agora quero te fazer a segunda e última pergunta:
– Para os que não se lembram, eu pergunto onde está o problema? Eu te digo onde está o problema, ele está em nós – “Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites”.

Um grave erro que incorremos nele como homens e, também, como servos de Deus, é o de nos conformar com a nossa inaptidão, incompetência  e incapacidade de alcançar determinados objetivos. Nós admitimos que somos tudo aquilo e, não tem nada de errado nisso, pois o somos de fato, o problema é o de não fazermos nada para mudar o quadro, isto é, cruzamos os braços e ficamos esperando que alguém faça, pois, como admitimos, nós não somos capazes e, consequentemente, nada vai mudar. Deixa eu desvendar seus olhos e te mostrar como estamos vivendo em certas ocasiões – Estamos morrendo de sede às margens de uma fonte de águas cristalinas e desfalecendo de fome diante de uma mesa farta de alimentos revigorantes. Atente para a Palavra do Senhor neste dia e perceba que as orações chegam até a face do Senhor, porém, só serão atendidas as que estiverem em conformidade com a vontade dEle.  

Quando buscamos a Deus em oração e O confessamos como o maior tesouro para nossa vida, estamos nos jogando de corpo inteiro no rio da vontade de Deus, de seu poder e de seu propósito para nós. Todas as demais necessidades se tornam secundárias diante daquilo que realmente queremos alcançar: ficar totalmente imersos naquilo que Deus está tentando fazer em nós, através de nós e ao nosso redor, para a Sua glória.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.
Referências:
– A ORAÇÃO DE JABEZ – Bruce Wilkinson

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.