O Tabernáculo Eterno .

Apocalipse 21: 1-4
E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. E eu, João, vi a Santa Cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas.”

Por símbolo temos a seguinte definição – palavra ou imagem que designa outro objeto ou qualidade por ter com estes uma relação de semelhança; aquilo que, por convenção ou por princípio de analogia formal ou de outra natureza, substitui ou sugere algo. E, por sombra, a definição bíblica é aquilo que representa fielmente o original. Desta forma, o Tabernáculo foi construído conforme “um modelo” que Moisés viu, ou seja, ele contemplou com seus olhos uma realidade no Céu, enquanto esteve no monte Sinai, e foi incumbido de representa-la fielmente na terra – “Conforme tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis”. A demora de Moisés no monte foi proposita, pois, tinha a finalidade de que ele tivesse tempo suficiente para examinar, conhecer e entender o que estava “vendo” minuciosamente.

Quando examinamos a Escritura Sagrada, vamos nos deparar com a seguinte declaração de João acerca do que ele viu no Céu – “E nela (na Jerusalém celestial) não vi templo …”. Ora, não há nenhuma contradição entre o que Moisés e João viram em épocas tão distantes uma da outra. O Céu não mudou do tempo de Moisés até João. O Tabernáculo que Moisés viu no Céu era o próprio Senhor, que, dentro do que foi assimilado e interpretado por Moisés culminou na edificação de uma Tenda, por que, era nela, por ela e através dela que Deus se relacionaria intimamente com seu povo, enquanto estivessem neste mundo. Embora, fisicamente, um seja tão distinto do outro, o que está implícito no Tabernáculo terrestre são os importantíssimos significados que cada detalhe da edificação tem com relação a pessoa e obra de Jesus Cristo. A figura do Tabernáculo terrestre é sombra fiel, em todos os aspectos, do que João viu – “E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor, Deus Todo-poderoso, e o Cordeiro.”

Aquilo que é indispensável ao homem para reatar seu relacionamento amistoso com Deus aqui na terra, não será necessário lá no Céu. Parte-se do princípio que, somente estarão no Céu os que aqui foram reabilitados a entrarem lá. Lá no Céu não será lugar de fazer concertos com Deus, lá estarão os que aqui concertaram  com Ele. No Tabernáculo eterno estarão os que, aqui, cumpriram rigorosamente as exigências que Deus fez acerca dos que tivessem transgredido sua Lei.

Entrar no Tabernáculo, mesmo que fosse restrito aos sacerdotes; entrar no Templo  e nas igrejas, hoje em dia, é muito fácil, a grande dificuldade era e é permanecer dentro deles.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.