Nascendo da “água” e do Espírito.

João 3: 5
Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus

A salvação, como bem sabemos, envolve um ato e um processo. O ato é obra exclusiva de Deus. Sim! Deus na Sua infinita misericórdia e graça, na mais extraordinária demonstração de Seu amor pelo homem, deliberou salva-lo, sem que qualquer coisa o tenha constrangido a isso. Ele quis salvar o homem por Sua própria vontade. Note, porém, que escrevi que “Deus quis”, ou seja, é o desejo dEle salvar, porém, Ele só salvará os que entendem que precisam serem salvos. Por outro lado, o processo da salvação, quando se há tempo hábil para passar por ele, é uma obra realizada numa “parceria” entre o homem e Deus, na pessoa do Espírito Santo. Da parte do Senhor Deus, é Ele quem determina os critérios deste processo e, ao homem, com auxilio do Espírito Santo, cabe tão somente cumpri-los.

Quero explicar com o meu ínfimo conhecimento de que a ideia de “uma vez salvo, salvo para sempre” não encontra o menor respaldo diante de um Deus Amoroso, Santo e Justo. Em todas as passagens bíblicas onde o Senhor Jesus operou milagres, curas e libertações, o que está bem claro, de forma que não se encontra brecha para outra interpretação, é que primeiro Ele operou as bençãos para depois exortar a pessoa a andar conforme o padrão divino – “vá e não peques mais”, ora, isso é a mais clara demonstração de que para permanecer salvo, a pessoa tem, agora, a responsabilidades de “zelar” por sua salvação, caso contrário, esta será perdida.

Deus em Seu infinito amor, primeiro Ele salva o homem para depois exigir que o homem, agora salvo, cumpra o que está proposto afim de que permaneça salvo. O ato de Deus em querer salvar o homem, é incondicional no sentido de que não depende de como o homem vai reagir ante essa dádiva, visto que muito rejeitaram e continuam rejeitando, entretanto, Deus quer salvar.

Bom, desta forma, então, Deus salvou por causa do Seu amor e, agora, por causa de Sua natureza Santa, os que tiverem tempo hábil para exercitar o processo da salvação, que é denominado de santificação, devem cumprir cabalmente com isso. Pois, é impossível que alguém que tenha recebido a salvação, esteja diante da face de Deus vivendo de maneira impura. Claro que, aquele que foi salvo, se pecar, não precisa ser salvo de novo, isso é totalmente compreensível, contudo, se aquele que foi salvo pecar, e não se arrepender nem confessar o pecado, este está indubitavelmente perdido. Em tudo isso a Justiça de Deus é exercida de forma extraordinariamente imparcial.

Tomemos como exemplo o seguinte: em um determinado lugar, depois de longos dias de chuva, houve um desabamento e inundou uma cidade de lama. Dá-se início aos resgates de animais. Imaginemos que estivéssemos neste lugar ajudando neste resgate e o animalzinho resgatado seria de quem o resgatou. Se, porventura, encontrássemos algum animalzinho todo enlameado, de imediato, nós até o trataríamos com todo carinho e cuidado, mas, depois de passado esse momento, nós iríamos permitir que o animalzinho continuasse todo enlameado vivendo dentro da nossa casa? NÃO! Claro que NÃO! Pois é, Deus age assim também, não permite pessoas imundas morando em Sua casa.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.