O visível transparecendo o espiritual.

João 1: 14; 14: 9-10
 “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” “Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras

Além das consequências trágicas do pecado, existe outro ponto, de extrema importância, que deve ser observado. Falamos muito do resultado final que o pecado produz – a morte eterna, mas, muitas das vezes, deixamos de apontar sobre os efeitos que ele causa na vida do pecador. Efeitos que nos últimos dias estão sendo tratados como doenças psíquicas e, que, por isso, estão tratando-o com medicamentos paliativos. O pecado não só quebra o laço de comunhão com Deus, como afeta, também, outras esferas da nossa vida.

Quero enumerar alguns efeitos causados pelo pecado e, começarei falando do poder escravizador que ele tem. – o pecado escraviza o pecador. O ato de pecar, em muitos casos, torna-se um vício e, como tal, à medida que o tempo passa ele vai tomando proporções incontroláveis – “um abismo chama outro abismo”, de forma que o pecado ganha tanto controle e poder que a pessoa não consegue escapar. Contudo, Jesus realizou uma obra poderosa que tem total capacidade para desfazer, de uma vez por todas, as amarras do pecado “Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte“.

O pecado, também, proporciona o desejo de fugir da realidade, ou seja, o pecado também resulta em falta de disposição para encarar a realidade. As pessoas evitam pensar no duro fato de que, cedo ou tarde, todos precisam morrer e, a supressão da consciência de que a morte é o salário do pecado, pode estar por trás de muitas de nossas tentativas para evitar pensar nela. Todavia, a obra realizada por Jesus na cruz, suprime esse sentimento, pois Ele garantiu que “o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor”.

Outro efeito que o pecado causa na vida do pecador é o de negar as atitudes pecaminosas. E, como bem vemos atualmente, uma das formas de negar o pecado é dando outros nomes para ele. O pecado recebe outro nome, de modo a não ser reconhecido como tal, de maneira que ele é considerado uma questão de doença, privação, ignorância ou, talvez, no máximo, um desajustamento social. Outra forma de negar o pecado é reconhecendo o erro, mas eximindo-nos de assumir a responsabilidade por ele. Porém, o Senhor Deus prometeu que, pela obra de redentora de Jesus na cruz – “se o ímpio se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e proceder com retidão e justiça, certamente viverá; não morrerá”.

Certamente que este pequeno artigo não tem a intenção de dar o assunto por exaurido. Muitos são os maléficos efeitos do pecado sobre a vida do pecador, contudo, a intenção é mostrar que, embora os efeitos possam ser os mais terríveis, em Jesus encontramos todo o recurso necessário para ficarmos livres definitivamente deles.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz

Referências:
– Teologia Sistemática – Millard Erickson

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.