O Castiçal iluminava o ambiente.

Êxodo 25: 31-40
Também farás um candelabro de ouro puro; de ouro batido se fará este candelabro; o seu pé, as suas hastes, os seus copos, os seus botões, e as suas flores serão do mesmo. E dos seus lados sairão seis hastes; três hastes do candelabro de um lado dele, e três hastes do outro lado dele. …           … Também lhe farás sete lâmpadas, as quais se acenderão para iluminar defronte dele. Os seus espevitadores e os seus apagadores serão de ouro puro. De um talento de ouro puro os farás, com todos estes vasos. Atenta, pois, que o faças conforme ao seu modelo, que te foi mostrado no monte”.

Nem mesmo Moisés se atreveu a descrever a extraordinária e gloriosa imagem do cenário interno da tenda do Tabernáculo. Fico divagando em meus pensamentos e imaginando como seria deslumbrante aquele ambiente – uma cortina branquíssima de linho fino bordado com a imagem dos querubins; a madeiras revestidas de ouro, reluzindo o brilho das lâmpadas do candelabro; os móveis construídos com todo zelo e dedicação dos edificadores, revestidos de ouro puríssimo; e, o aroma agradabilíssimo do incenso queimado que inundava o lugar, sem dúvida alguma era uma visão espetacular, todavia, tudo não era senão um pálido reflexo dos esplendores do templo de Deus no Céu, o grande centro da obra pela redenção do homem.

A Palavra de Deus especifica que o Candelabro de Ouro deveria ser feito com um talento de ouro (cerca de 43 Kg), ter sete hastes e ser feito de ouro batido (não moldado ou montado com partes componentes). Alguns eruditos estimaram que ele tinha pouco mais de 1,20 de altura. A Pia de Cobre, o Candelabro de Ouro e o Propiciatório eram similares no sentido que cada um deles era feito totalmente de um único material (cobre e ouro, respectivamente). A limpeza diária do fiel cristão, representada pela Pia, é uma obra contínua de Cristo, exatamente como a luz que brilha dentro dele — representada pelo Candelabro — é uma obra contínua de Cristo. E ambos apontam para nosso maravilhoso Pastor e Intercessor, cujo sacrifício expiatório vicário — representado pelo Propiciatório — pagou o preço da nossa salvação.

Como não existiam janelas ou portais abertos no Santuário, o Candelabro de Ouro era a única fonte de iluminação, exatamente como Cristo é a única luz sobrenatural em nossas vidas hoje. Ele também será a única fonte de luz na Nova Jerusalém – “E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada”.

O Candelabro de Ouro é uma figura gloriosa de Cristo em Sua divindade. Com suas sete hastes, o Menorah é também uma representação da igreja de Cristo, o corpo coletivo de crentes fiéis  em quem o Espírito Santo habita. O Candelabro de Ouro nos diz que é tarefa de cada crente fiel fazer tudo que Cristo nos mandou fazer, ter comunhão em uma igreja que esteja dedicada à salvação dos perdidos, e encher-se diariamente com o Espírito Santo. Mesmo com toda sua fragilidade humana, o crente fiel é convidado a servir a Deus como um vaso inflamado para o Espírito Santo e levar ao mundo a Luz — a única Luz — que pode dar salvação aos perdidos.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– (Extraído) A Extraordinária Santidade de Deus – Jeremy James

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.