A obra perfeita de Cristo

Hebreus 9: 15-20
E por isso é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna. Porque onde há testamento, é necessário que intervenha a morte do testador. Porque um testamento tem força onde houve morte; ou terá ele algum valor enquanto o testador vive? Por isso também o primeiro não foi consagrado sem sangue; Porque, havendo Moisés anunciado a todo o povo todos os mandamentos segundo a lei, tomou o sangue dos bezerros e dos bodes, com água, lã purpúrea e hissope, e aspergiu tanto o mesmo livro como todo o povo, Dizendo: Este é o sangue do testamento que Deus vos tem mandado.”

Cinco critérios importantíssimos tornam o “tabernáculo” da nova aliança superior, em todos os sentidos, ao da antiga aliança – Ele é celestial; Seu ministério é eficaz para tratar do pecado; Seu ministério é baseado em um sacrifício precioso; Seu ministério representa consumação; e, Seu ministério é definitivo e completo.

A bênção que nos foi oferecida, oriunda do sacrifício de Jesus, quando derramou seu precioso e puro sangue, pelos pecados da humanidade, é largamente superior aos efeitos de todos os sacrifícios apresentados no passado, pois, muito mais que uma simples purificação ritualista, que afetava a posição do pecador; esta benção afeta nosso estado interior. O sangue de Jesus é adequado, mas é somente o ponto de partida para a purificação exigida por Deus. Não há uma purificação automática, que ocorre incondicionalmente pelo ato da expiação. A fé se apropria do sangue purificador. Somente a fé no sangue como base para a nossa salvação trará uma percepção completa de libertação.

Na nova aliança, o Senhor Jesus queria que as pessoas entendessem que o que precisa ser purificado é a consciência ou a percepção moral das pessoas. Apesar da assídua observância das cerimônias levíticas, um sentimento de culpa e violação continuava controlando a consciência dos adoradores. Mas em Jesus eles podem encontrar paz perfeita. Somente o Espírito Santo pode lavar de todo o pecado e dar um sentimento pleno de novidade e pureza; mas isto Ele faz com base no mérito expiatório do sangue de Cristo e em resposta à fé neste sangue. Liberto, o crente é agora capaz de adorar o Deus vivo de maneira aceitável. O contraste entre o Deus vivo e obras mortas é marcante. Obras pecaminosas que trazem morte para a alma nos desqualificam para a comunhão com Deus ou para o serviço ao Deus que é santo. Assim, esta purificação da consciência deve, por necessidade, incluir a regeneração e santificação inicial.

Os rituais da antiga aliança não tinham o poder de mudar o coração das pessoas. Isso não significa que o adorador que acreditava em Deus não tivesse uma experiência espiritual; antes, significa que a ênfase era sobre a purificação cerimonial exterior. Desde que o adorador obedecesse às regras prescritas, era declarado puro. Era uma “purificação da carne”, mas não da consciência.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Beacon
– Comentário Bíblico do Novo Testamento – W. W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.