O cristão deve andar no Espírito.

Gálatas 5: 25
Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito

Quando ensinamos ou pregamos que Cristo faz do coração do homem a Sua morada, creio que, até mesmo, inconscientemente, cometemos dois erros gravíssimos. O primeiro erro consiste em não esclarecer para os que nos ouvem de que não estamos falando do músculo cardíaco em si, mas que estamos nos referindo a alma e, que neste caso, o coração expressa, nada mais nada menos, o centro de todos os desejos do homem. O segundo erro, e, a meu ver o mais grave, está no fato de não declararmos abertamente que para Jesus fazer morada no “coração” do homem, depende do consentimento do homem. Jesus não viola os direitos do homem.

Até a cruz de Cristo, sem dúvidas alguma, o homem não tem poder algum ou vontade própria para resolver o problema do pecado. É fato inquestionável que ninguém opta por ser salvo sem que o Espírito Santo o convença da sua real condição de perdido. Contudo, quando se chega à cruz de Cristo, apenas uma parte do problema foi resolvida, isto é, aquilo que dependia de Deus está resolvido e, a partir de então, para que a obra salvadora se complete é necessário que haja a “cooperação” do homem para resolver a outra parte do problema.

Como Paulo escreveu aos crentes de Filipos, eu também escrevo a vós – “Não me canso de vos escrever as mesmas coisas”, a cooperação a que me referi não se trata do ato da salvação, mas em manter-se salvo. E, isso é tão fácil de compreender, pois, temos nos relatos bíblicos do Novo Testamento muitas pessoas que estiveram muito próximo de Jesus e, ainda assim, não foram salvas.

Todos os que confessam pertencer a Cristo, tem que, indiscutivelmente, terem consentido que a natureza carnal seja crucificada junto com Ele naquela cruz. E, a mordomia da alma e do espírito consiste em realizar por ambos a expressa vontade daquele que agora é o nosso “senhor”. Quando o espírito é subjugado pela vontade da alma, viveremos inclinados a nos comportar de forma que satisfaça os desejos e prazeres estritamente da carne. Não entenda isso como ter uma vida de pecados, por que o pecado não se manifesta apenas nas atitudes, antes, até as intenções do coração, se inclinados aos desejos da alma, se constituem pecados. A alma depende do corpo para a manifestação dos seus desejos e, ela usará tanto os membros como os sentidos do corpo.

Diante disto, para anularmos os desejos da alma é necessário que andemos e vivamos em Espírito todo o tempo. Pois, a única maneira de subjugar a alma e de refrear seus instintos é ter uma vida pautada na vontade Deus. Nosso espírito é fortalecido e incentivado a buscar somente as “coisas” do alto quando, no exercício de nossa mordomia, realizamos, por meio do corpo, obras que evidenciam uma vida totalmente santificada.

A mordomia da alma e do espírito é verificada quando vivemos de forma equilibrada. Não entenda o equilíbrio aqui, como sendo satisfazendo um pouquinho a cada um, não é isso! Viver de forma equilibrada é viver sobriamente, consciente de quem somos, onde estamos, por que estamos e para onde vamos.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.