Agradeçamos a Deus por tudo o que Ele nos dá.

Salmos 103: 1-3
Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios. Ele é o que perdoa todas as tuas iniquidades, que sara todas as tuas enfermidades”.

Neste salmo, Davi “intima” todo o seu ser a adorar e louvar a Deus. Mas, a adoração e louvor a que Davi se refere, não é algo superficial. O louvor e adoração não podem ser proferidos “da boca para fora”, eles envolvem todo o ser daquele que se dispõe a ser um verdadeiro adorador. Davi exorta-nos a não nos esquecermos de nenhuma das bênçãos de Deus: perdão das iniquidades, cura das enfermidades, remissão da vida, graça e misericórdia infindáveis e bênçãos infinitas sobre a vida do homem.

O meu coração exulta ao SENHOR, o meu poder está exaltado no SENHOR; a minha boca se dilatou sobre os meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação”.

O cântico de Ana começa com uma declaração aberta de que nada nesta vida é possível sem a intervenção de Deus. Ana inicia seu cântico apontando para si mesmo, para o que ela viveu e sentiu por algum tempo, mas, em momento algum, tem, em suas palavras, algum sentimento de vanglória à custa de Penina. O “dilatar” de sua boca não aponta em “esfregar” Samuel na “cara” da rival, mas, fala de uma situação totalmente inversa do que ela tinha vivido – a boca que tanto tinha chorado e lastimado a “sorte”, agora estava louvando a Deus pela alegria que Ele lhe proporcionara. Apesar de o Senhor ter-lhe agraciado com um filho, no entanto, não existe benção maior do que a salvação.

Não há santo como o Senhor; porque não há outro fora de ti; e rocha nenhuma há como o nosso Deus”.

Neste verso do seu cântico, Ana, afirma que mesmo que o homem vasculhe por todo o universo, jamais encontrará algum deus como o nosso Deus. E, por que não existe alguém como o nosso Deus, está declarado que não há alguém que seja Santo como Ele.

Não multipliqueis palavras de altivez, nem saiam coisas arrogantes da vossa boca; porque o Senhor é o Deus de conhecimento, e por ele são as obras pesadas na balança”.

Aqui, Ana está nos ensinando que, por mais difícil que seja a situação que estejamos vivendo, jamais se deve ouvir em nossos lábios qualquer palavra torpe. O Deus que tudo vê; tudo ouve; e, tudo sabe, está atento e zelando para que todas as coisas ocorram conforme seus propósitos e, que jamais deixará desamparado um filho Seu. Somos exortados, aqui, a crer que o Senhor usará a Sua “justa” justiça para julgar todas as coisas, desta forma, nenhum inocente será declarado culpado, bem como, nenhum culpado será visto, por Ele, como inocente.

O arco dos fortes foi quebrado, e os que tropeçavam foram cingidos de força”.

Deve-se ter muito cuidado com a interpretação deste versículo, pois, ele não faz alusão de que o Senhor pleiteará somente as causas dos pobres, fracos e necessitados, porém, o que está claro nesta palavra é que o Senhor pleiteará toda e qualquer causa daqueles que o servem com sinceridade e fidelidade.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.